a heróica luta pela desmotorização das cidades entre o divino e o diabólico

O Brasil é um país encantado. Nunca desencantou-se. O sobrenatural reina acima da realidade, e o carro tem centralidade quase divina nas mentes que povoam as cidades brasileiras.

carro

É fato. O brasileiro, se não é religioso, é místico. Roberto DaMatta escreveu há algum tempo um livro interessante: “Fé em Deus e pé na tábua – como e por que o trânsito enlouquece no Brasil”.

De fato, melhor benzer o carro do que aprender a dirigir corretamente. E mais, sendo a posse do carro um presente divino, o radar só pode ser coisa diabólica a impedir o uso da graça recebida de 4 rodas.

Quem, com um olhar externo observa determinados fenômenos no Brasil, percebe também a imensa religiosidade do povo. E historicamente entende como as ideias se perpetuam. Continuar lendo

o roubo de bicicletas vai aumentar em SP.

o numero de furtos explodiu e o de roubos tem aumentado fortemente, o que gerou até uma reunião entre associações e a Secretaria Estadual de Segurança. mas as medidas propostas pela Secretaria são pífias. e o buraco é mais embaixo.

roubada

roubo de bicicleta flagrado por câmeras em 2013, em SP, na Rodovia dos Imigrantes

estudar um pouco que seja de criminologia permite percebermos o quanto há de discursos vazios, de “papagaiada”, de politicagem em algumas falas de governantes. vamos entender um pouco qual o mecanismo por trás da ação da ladroagem.

quem é o ladrão que furta, e pior ainda rouba? o furto é feito sem violência, o roubo se dá sob violência ou grave ameaça.  vamos entender separadamente essas duas formas de você perder sua amada bicicleta. Continuar lendo

é a aerodinâmica!

bicicleta e ciclista são um conjunto, e não pedalamos no vácuo. então a aerodinâmica influencia mais do que você imagina.

se você viu o videozinho acima, entendeu o truque do fixeiro para ultrapassar os speedeiros, deitou sobre a bicicleta, durante a descida. e assim melhorou sua aerodinâmica, diminuiu a resistência do ar.

pois é, numa bicicleta de quadro diamante, bicicleta comum, de montar sobre o selim, a à velocidade de 30 km/h a resistência do ar responde por cerca de 60% do seu esforço. claro, pode ser maior ou menor a resistência e acordo com a sua posição na bicicleta, existência de vento contra ou não e etc. Continuar lendo

qual é a da reclinada?

uma descrição não tão sumária do que é passar a usar uma reclinada, para os meus amigos curiosos.

em Florianópolis, reclinada com alforjes de 50 litros mais um pacote atrás do banco.

em Florianópolis, reclinada com alforjes de 50 litros mais um pacote atrás do banco.

eu sempre pedalei bicicletas com quadro diamante, aquele quadro que olhando do lado tem dois triângulos. não difere de outras bicicletas que variem a geometria: você sempre está com um selim no meio das pernas.

tenho flertado com reclinadas há anos. mas eu sabia que haveria um tempo de adaptação, e sempre isso me fez adiar a mudança.

mas  os meus ombros… alguns atropelamentos, uma agressão de um ocupante de um carro num audax há anos atrás, a buraqueira do asfalto brasileiro….  nos últimos tempos os gudiões foram subindo, subindo, depois vieram pneus mais largos, por fim suspensões, pneus largos, guidões altos…. e também evitar pedalar em pé… e nada disso mais evitava minhas dores. Continuar lendo

TANDEM!

duas ou mais pessoas na mesma bicicleta! mais velocidade, mais peso, é tudo diferente!

nessa foto, meu avô, dois tio-s-avôs e um primo deles.  entre 1930 e 1940. meu tio avô Hempi à direita, foi quem fez essa longa tandem!

nessa foto, meu avô, dois tio-s-avôs e um primo deles. entre 1930 e 1940. meu tio avô Hempi à direita, foi quem fez essa longa tandem!

tandem é outro bicho. pense só nos problemas: montar um quadro longo que não parta no meio com o peso:  ligar uma pedivela à outra; montar rodas que aguentem o peso; ter freios pra lá de eficientes.

isso sem falar na pedalada cadenciada, com todos pedalando no mesmo ritmo. Continuar lendo

o braço de Dorgival e o bico do tucano

Dorgival Francisco Souza, um vigia, um trabalhador, rumando ao trabalho teve o braço decepado por um motorista irresponsável que dirigia numa rodovia de um governo irresponsável que descumpre a lei estadual 10.095/98.

dorgival francisco souza e sua bicicleta.

dorgival francisco souza e sua bicicleta.

o ano era 1998. o então deputado tucano walter feldman conseguiu aprovar a lei 10.095, que instituiu o plano cicloviário estadual. conforme pode-se ler no texto acessível nesse link aqui, desde aquele ano, em razão do contido nos artigos 5º, 6º e 7º da lei, os projetos de novas estradas,os projetos em andamento e as estradas já construídas do estado de são paulo deveriam ter estrutura cicloviária em toda a sua extensão, principalmente nos trechos urbanos. Continuar lendo

sobre vida e morte

um domingo. um domingo de vida. embora a morte se fizesse presente na sexta.

menino "dando grau" em sua bicicleta....

menino “dando grau” em sua bicicleta…. foto de r.m. santos

assim, uma porta aberta por um motorista imbecil, repentinamente, derrubou a ciclista. parece engraçado para você? pis ela teve um severo traumatismo craniano, seguido de morte cerebral. morte declarada na sexta.

e assim encerrou-se a vida de detinha son, mãe de duas filhas, esposa, anjo nas bicicletas de vila velha. uma mulher sorridente.

carros são instrumentos de morte até quando parados.

mas chegou o domingo. domingo, em são paulo, em certas regiões, é um dia com outro sentido agora. seja na central avenida paulista, seja na longínqua avenida kshun takara, é dia sem carros, sem motos, sem motores. e a bola corre solta. Continuar lendo