Arquivo da categoria: legislação

TUCANOS ODEIAM CICLISTAS E BICICLETAS

Antes descíamos a Serra do Mar de várias formas no Estado de São Paulo. Imigrantes,Anchieta, Estrada Velha, Manutenção Mogi-Bertioga. Hoje, só sobra porrada pra quem tenta descer.

PM tentando”dispersar” ciclistas na base da bomba de gás e da bala de borracha. agora há pouco, foto por Henrique Espírito-Santo.

Tenho amigos ciclistas “das antigas”. Gente que hoje tem mais de 50 anos, não raro bem mais de 50 anos. Era costume de alguns simplesmente num domingão pegar sua bicicleta e descer a Estrada Velha de Santos (SP-148), também conhecida como Caminho do Mar. Pedalavam até a descida, desciam, chegavam em Cubatão, comiam alguma coisa e subiam. Continuar lendo

Anúncios

QUANDO A AUTORIDADE DESCONHECE A LEI E OS FATOS, OU AGE DE MÁ-FÉ.

No Ceará, a Polícia Rodoviária ignora a a correta interpretação do artigo 174 do CTB, assim como ignora completamente o comportamento dos ciclistas no mundo inteiro.

veja o vídeo e as besteiras faladas pela policial

O artigo 174 do CTB determina:

        Art. 174.  Promover, na via, competição, eventos organizados, exibição e demonstração de perícia em manobra de veículo, ou deles participar, como condutor, sem permissão da autoridade de trânsito com circunscrição sobre a via:        

        Infração – gravíssima;

        Penalidade – multa (dez vezes), suspensão do direito de dirigir e apreensão do veículo;     

        Medida administrativa – recolhimento do documento de habilitação e remoção do veículo.

Pergunto: treino é evento?

E 3 amigos que resolvem num domingo de manhã fazer um passeio, é evento?

E a prática europeia de se montar pequenos clubes de amigos para passeios, juntando de 3 a 20 ciclistas num passeio dominical, quase todo o final de semana em que não neve , é evento?

O que é evento? Ora, evento é a reunião marcada com antecedência, inscrições e etc, que juntam muitas dezenas, senão centenas ou milhares de pessoa. Com,o o antigo Passeio da Primavera, aqui em São Paulo, com milhares de pessoas.

Mas o pelotão que treina todo domingo na Marginal Pinheiros e seus arredores, que permite que muita gente treine técnicas de pelotão a serem usadas em competições, é evento?

Treino não é evento, passeio informal não é evento, muito menos aquela cicloviagem de 2 ou 3 ciclistas…

Se você viu a notícia da TV Jangadeiro, no link acima, percebe a fala equivocada da policial. Ela quer orientar sobre a lei, como se os ciclistas estivessem errados ao saírem pra treinar 4 horas da manhã, numa equipe completa, de 8 a 20 ciclistas. Ora, NO MUNDO INTEIRO ISSO ACONTECE!

Mas no Brasil, lembremos, permanece a lógica de sempre restringir pedestres e ciclistas para favorecer motoristas em nome da segurança.

O discurso da segurança é o discurso sempre invocado para impedir o fluxo das bicicletas. Pois o fluxo das bicicletas é democrático demais. Afinal, é o modal de transporte individual mais barato.

Incorre em flagrante erro essa interpretação do artigo 174 do CTB por parte da Polícia Rodoviária no Ceará. Erro de interpretação. Cabe aos ciclistas organizados do Ceará acionarem o Ministério Público e a Defensoria Pública para tomada das medidas cabíveis para fazer cessar essa restrição ao direito de ir e vir que a Polícia Rodoviária naquele estado está promovendo.

Pois imagine que loucura e para uma equipe de ciclismo de estrada ter que protocolar pra cada treino num ano pedidos de autorização que, ainda por cima, podem ser negadas? Uma equipe não raro treina 5 ou 6 vezes por semana, são portanto 25 ou mais treinos por mês durante pelo menos 11 meses ao ano!

Numa conta, por baixo, são 275 pedidos de autorização apenas num ano de uma única equipe. E isso levando em cota equipes que treinem apenas uma vez por dia.

Incorre em erro a Polícia Rodoviária do Ceará. E esse erro acarreta restrição ao direito de ir e vir do ciclista cearense, que por motivos diversos prefere andar em grupo: desde maior segurança até o efeito físico do vácuo.  Afinal, quem nunca viu numa viagem 4 ciclistas com seus alforjes pedalando em fila, trocando periodicamente que está na dianteira, mesmo que estejam a apenas 20 ou 15 km/h? Mas claro, só quem pedala sabe disso.

Que os ciclistas cearenses se organizem e recorram à Justiça, e, depois de sanada essa restrição, recorram à Corregedoria da Polícia para apuração de quem são os responsáveis por essa ilegalidade.

a bicicleta e o resto do mundo

promover políticas de transporte por bicicleta ou a pé são formas de causar menos incômodo e degradar menos o mundo.

vivemos o antropoceno. a era em que a força que mais muda o ambiente, forçando a extinção de outras espécies, modificando o relevo, e mudando a atmosfera, e a espécie humana. todos nós temos responsabilidade por essas mudanças, para o bem e para o mal.

Arne Næss, um filósofo norueguês infelizmente já morto, juntamente com Félix Guattari, cunharam o termo ecosofia, um complemento à noção de ecologia profunda. na verdade, propõem que se viva em harmonia com o ambiente e não em confronto com ele.

não se trata de simplesmente voltarmos à caverna. mas de percebemos que não há hierarquia entre seres vivos. mas há uma espécie de equilíbrio dinâmico. vide que assim que humanos se sedentarizaram e montaram grupos grandes, as doenças também se multiplicaram. é o equilíbrio dinâmico da natureza agindo. Continuar lendo

bicicultura 2016 SP: por que ir

paixão é vertigem, amor é construção. bicicultura é o encontro nacional da cultura da bicicleta, paixão de alguns, amor de outros. e sempre, sempre, vida plena de todos.

que elo te move, o que te liga à bicicleta, qual tua ligação com o mundo? venha descobrir!

que elo te move, o que te liga à bicicleta, qual tua ligação com o mundo? venha descobrir!

quem nunca? a primeira bicicleta? a segunda? sabemos que o número ideal de bicicletas a se ter é representado por duas fórmulas: para solteiros, N +1. para casados, S – 1. onde N representa o número atual, e S representa  número que resulta em separação.

quem nunca? aquela descida íngreme, soltar os freios? e a subida maldita, ardendo a pernas, com o ônibus atrás buzinando?

quem nunca? a primeira centena de quilômetros pedalados num dia?  olhar no espelho antes de dormir, sabe-se lá onde, e pensar: “caraca 100 km!“. Continuar lendo

Cláudio Clarindo: sua morte atinge a todos!

o brutal assassinato do ultraciclista Cláudio Clarindo, em 25 de janeiro de 2016, enquanto treinava numa estrada paulista, atinge a todos os ciclistas. é hora de unificarmos nossas lutas. um motorista insano mata qualquer ciclista: seja um atleta treinando, seja um trabalhador indo ao seu emprego, seja alguém que esteja num passeio noturno, seja um cicloturista.

Cláudio Clarindo. Foto: Bikemagazine.

Cláudio Clarindo, como qualquer atleta da bicicleta, treinava numa via pública quando foi brutalmente assassinado num atropelamento.

Todos nós ciclistas, quem quer sejamos, estamos sujeitos a isso. Continuar lendo

vai todo mundo andar de bicicleta!

o brasil logo passará por um processo rápido de concentração de renda. vale dizer: os salários encolherão muito. sim, terceirização é isso. e vai todo mundo usar bicicleta, pois será caro demais ter carro.

uma imagem do futuro. foto: projeto transite. clique na imagem e

uma imagem do futuro. foto: projeto transite. clique na imagem e

é fato que ter um carro e circular com ele custa. custa muito mais que fazer o mesmo em uma bicicleta e, em situações especiais usar um táxi.

mas até agora muita gente tem carro, pois consegue ter carro. mas isso logo mudará. isso ocorre hoje, plis há uma parca renda distribuída. você recebe seu 13º no final do ano, pois seu patrão paga. você recebe suas férias com adicional de 1/3 pois seu patrão paga. seu salário não é muito, pois você vive reclamando, mas recebe esses outros direitos e vai tocando sua vida. consegue até fazer um parcelamento da CVC. e tem seu carro.

o PL 4330/04 ainda é um projeto de lei, mas já teve uma votação massiva a favor do texto base. ele permite a terceirização das atividades-fim, e não apenas das atividades-meio, como hoje determina a súmula 331 do TST. hoje, dá pra terceirizar a atividade de faxina. mas a grande parte dos empregados de uma empresa são funcionários dela. e como você já cansou de ouvir em historinahs por aí, quantas vezes você ouviu que a empresa de faxina no final do ano deixou as faxineiras sem 13º salário?  várias vezes, não é? quantas vezes você até participou de uma vaquinha pra ajudar as faxineiras que estão há 3 meses sem salário? já ouviu muito sobre isso, não é?

pois é. no setor das terceirizações, são comuns os descumprimentos de direitos trabalhistas. pois a empresa que  fornece o serviço terceirizado muitas vezes é muito menos sólida que aquela que toma o serviço. afora as fraudes: patrão que some e etc.

é a versão urbana do trabalho dos gatos no setor rural, que contratam boias-frias pra fazerem um serviço qualquer, e muitas vezes somem com o dinheiro, enquanto o fazendeiro não teve o trabalho de contratar ninguém, mas teve o serviço feito.  no setor rural, essa prática é responsável pela ampla maioria das situações de trabalho análogo à escravidão.

e no setor urbano também: os escravos urbanos do setor de confecção estão nas empresinhas-arapucas que pegam serviços terceirizados das empresas do setor de moda, de marcas de roupas e etc.  eventualmente a camiseta que você está usando foi feita ali num galpão escuro de são paulo, por alguém que trabalha 7 dias por semana e 16 horas por dia.

mas hoje, se descoberto esse local de trabalho escravo, a empresa que tomou o serviço responde junto, por isso muitas empresas tomam serviço terceirizado, mas fiscalizam o quanto podem a cadeia de produção: não interessa a elas responder por algo que não fizeram, diretamente.

mas isso vai acabar. esqueçam, esse PL 4330 vai passar, vai virar lei. se a presidente votar, o congresso derruba o veto. é o congresso mais contrário à classe trabalhadora do período democrático. no congresso, hoje, o conservadorismo reina, é a regra.

então você que tem um carro, acostume-se com a ideia de que não mais o terá. e coo também não terá vale-transporte pago pela arapuca que o contratou para trabalhar na grande empresa, é melhor também não contar com o transporte público.

ter um carro custa bastante. pra ter ideia, calcule o gasto do seu carro nesse link aqui. esse é um custo que talvez você ainda suporte, mas não suportará com o tempo.

pois o mundo do trabalho mudará bastante. teremos logo um padrão chinês de remuneração do trabalho, o que afetará fortemente o setor de serviços: se ninguém recebe bons salários, quem comprará boas bicicletas, por exemplo? quem poderá gastar 400 reais em cabeleireiro, se ganha 600 reais por mês?

nos setores não bem protegidos pela legislação trabalhista, isso já ocorre.  setores como o da área de mídia, dos serviços jurídicos e etc estão há muito desregulamentados. nessas áreas, o pessoal diz até que carteira de trabalho é um troço que tá numa caixa no quartinho de despejos e que CLT é uma lenda. conheço muita gente que está há quase 10 anos sem saber o que sejam férias de 30 dias.

a longo prazo, até os custos da previdência vão diminuir, pois com tanta empresa-arapuca não contribuindo à previdência, acabará todo mundo se aposentando pelo mínimo: 1 salário mínimo.  sim, aposentadorias de 1 salário mínimo pra pessoas que saíram da faculdade aos 23 anos e trabalharam até os 70 anos…

claro, essa minha fala parece bem alarmista e exagerada, mas apenas para quem não domina um dos fundamentos básicos da economia: não há economia de mercado onde não há mercado,e não há mercado onde a renda está concentrada.

um colega que mexe com manutenção de computadores ontem comentou: “eu não estou nem aí pra essa questão nunca recebi salário mesmo, nem 13!, não preciso disso”. mas ele esqueceu que 100% da clientela dele é de gente assalariada. aprovado o PL 4330 não o atinge,mas atinge toda a sua clientela…. e sem clientela, qual mercado se sustenta?

deica pra lá., viraremos um enorme maranhão, um dos estados com menor índice de empregados com registro, com carteira assinada. e não por acaso, um dos estados com menor acesso à internet, 7,7% de sua população acessa a grande rede, segundo dados do IBGE, que você pode consultar nesse link aqui.

e nesse outro link aqui, você perceberá que o maranhão é também o estado da federação com o menor índice percentual de trabalhadores registrados, com carteira assinada. e nesse link aqui, também descobrirá que é o estado com a menor renda média per capita por domicílio.

mas deixa pra lá. isso não preocupará você nunca.  melhor pensar em abolir o STF, dar um pau em todo mundo, pois o que falta n brasil é vergonha na cara, não é?  pois é, tudo o que escrevi é blablabla, eu sou alarmista e etc. bom mesmo era no tempo da ditadura, não era?

ok, o panorama a médio prazo é bom para as bicicletas nas cidades,mas não na direção do padrão holandês, parisiense, londrino ou berlinense. o panorama é chinês. logo chegaremos a pum padrão pequim-anos 70. assim, o próprio mercado consumidor de bicicletas no brasil mudará, rumando a um consumo preponderantemente caracterizado pelas bicicletas de transporte, mas de baixo custo. assim, por exemplo, para uma shimano, com a atual classe média baixando seu padrão de renda, os grupos mais básicos (tourney, por exemplo) suplantarão bastante a venda dos grupos de média ou alta gama, muito mais que atualmente. e claro, abrindo-se um campo ainda maior para peças de fabricantes outros, chineses: sunrace, yamada, por exemplo.

por outro lado, a flexibilização que a precariedade das relações de trabalho tará permitirá o aumento da produção. o que hoje acontece em setores específicos (como o comércio de rua, com jornadas de trabalho de 12 hs diárias e poucas folgas, e apenas uma por mês aos domingos)  tenderá ser a regra. o atual padrão chinês é de 10 horas de trabalho diárias, por 6 dias: 60 horas semanais. trabalhando 60 horas semanais não há tempo para lazer. logo o mercado de lazer também mudará.

as mudanças virão. pois sabe como é? não pode ter  manifestação é tudo baderneiro… tudo comunista, pau nos sindicatos! deviam prender a CUT inteira!

é. mudanças virão. acostume-se com a ideia. é isso que se delineia nesse congresso. mas você apenas se preocupa com a CPI da petrobrás. você merece.

 

 

 

 

 

 

 

a ecovias não gosta de ciclistas. entenda por quê.

renata falzoni saiu estarrecida da reunião. discutiam-se os assuntos relacionados à realização da descida da serra, pela rota márcia prado, a ser promovida pelo instituto ciclobr.

lembre que rota é só um caminho.  o caminho está lá. quando quiser fazê-lo, faça, é seu direito. apesar de ações como essa da polícia, no video abaixo, na bicicletada interplanetária.

mas o evento anual, em dezembro, não apenas serve para rememorar márcia regina de andrade prado, que comemorou um aniversário fazendo esse caminho, e faleceu assassinada atropelada por um ônibus na avenida paulista, quando trafegava com sua bicicleta não apenas seguindo as regras de trânsito como também usando um inócuo capacete.  mas a discussão não e sobre capacete.

a esta altura você já sabe que a ecovias, empresa que administra o sistema anchieta-imigrantes, a estradas que ligam são paulo à baixada santista, colocou tamanho óbice para a realização do evento que o inviabiliza. para ler mais, clique aqui e veja o completo post do willian cruz no vá de bikeContinuar lendo