Arquivo da categoria: competição

bicicultura 2016

quem foi tem uma vaga ideia do que foi o bicicultura 2016 em são paulo de tanta coisa que aconteceu. quem não foi só pode imaginar. 

a foto oficial onde estão quem chegou ao final. mas deveria ter mais umas 8 mil pessoas nessa foto, feit apelo josé renato bergo.

a foto oficial onde estão quem chegou ao final. mas deveria ter mais umas 8 mil pessoas nessa foto, feit apelo josé renato bergo.

e eu subi a augusta puxando um bonde pra bicicletada. quando chegamos ali na paulista, perto da praça do ciclsita, o casal de blumenau fez a cara de espanto. guilherme não falou nada, mas  a mariana arregalou os olhos e eu esperei ela soltar: “puta que pariu! quanto ciclista!“, mas não foi isso que ela falou. apenas comentou, entusiasmada, que nunca tinha visto tanto ciclistas juntos.

era a bicicletada internacional, do dia 27 de maio, inchada pela presença dos participantes do bicicultura de 2016. tava grandona…. como gosto, fechando a avenida paulista inteira! Continuar lendo

bicicultura 2016 SP: por que ir

paixão é vertigem, amor é construção. bicicultura é o encontro nacional da cultura da bicicleta, paixão de alguns, amor de outros. e sempre, sempre, vida plena de todos.

que elo te move, o que te liga à bicicleta, qual tua ligação com o mundo? venha descobrir!

que elo te move, o que te liga à bicicleta, qual tua ligação com o mundo? venha descobrir!

quem nunca? a primeira bicicleta? a segunda? sabemos que o número ideal de bicicletas a se ter é representado por duas fórmulas: para solteiros, N +1. para casados, S – 1. onde N representa o número atual, e S representa  número que resulta em separação.

quem nunca? aquela descida íngreme, soltar os freios? e a subida maldita, ardendo a pernas, com o ônibus atrás buzinando?

quem nunca? a primeira centena de quilômetros pedalados num dia?  olhar no espelho antes de dormir, sabe-se lá onde, e pensar: “caraca 100 km!“. Continuar lendo

minha 9 de julho

um kart numa prova de fórmula 1, era essa sensação.

minha khs

minha khs. foto do roberson.

 

qualquer um que entende um pouco de ciclismo sabe que ciclismo de estrada exige fibras musculares aeróbicas, as fibras vermelhas, tipo I, com capacidade oxidativa. em resumo, aquilo que quase não existe no meu corpo.  pra entender, leia aqui.

claro, faço audaxes de vez em quando, mas a partir de 40 ou 50 quilômetros pedalados eu estou só administrando stress. pois já estou me arrastando às vezes antes do primeiro PC. mas sempre sobra alguma forma de energia para, nos últimos 100 metros do audaxes, levantar a bunda do selim e dar uma acelerada. Continuar lendo

por que a 9 de julho nas ruas de são paulo é tão importante?

A tradicional prova de rua volta a ser realizada nas ruas do maior município da América do Sul, isso é uma conquista e tanto!

a largada da 9 de julho em 1976

a largada da 9 de julho em 1976

A cultura da bicicleta é fortemente marcada, desde seu início, pela sua faceta esportiva. Quase toda a tecnologia hoje empregada nas bicicletas foi desenvolvida nas corridas.

De outro lado, as corridas de bicicletas nas estradas e ruas constituem um divertimento e tanto não apenas par aos participantes, mas sobre tudo para o público, e traz também a imagem que aqueles locais são plenamente cicláveis.

A se notar o impacto que as maratonas urbanas têm no correr: quantos não correm pelas ruas das grandes cidades, inspirados pelas grandes maratonas urbanas?

Pois a 9 de Julho é a corrida de bicicletas mais importante do Estado de São Paulo. Começou a ser disputada em 1933, um ano após a Revolução Constitucionalista, e durante décadas percorreu as ruas da cidade. Era e é  grande clássica do estado, mas na verdade critério.  Continuar lendo

wiggins bate o recorde da hora!

54 quilômetros e 526  metros! é o que bradley wiggins rodou em londres, em uma hora! novo recorde!

bradely wiggins durante a hora

bradely wiggins durante a hora

bradley wiggins hoje faz parte do exclusivo clube de ganhadores do tour de france que também foram recordistas da hora. clube exclusivo que reúne monstros como miguel induráin e sobretudo o barão eddy merckx. Continuar lendo

cultura da bicicleta: o tripé

no brasil engatinha uma cultura da bicicleta. assim, todas as 3 pernas do tripé da cultura da bicicleta, o transporte, o esporte e o lazer disputam recursos, e às vezes descobre-se um santo para cobrir outro.

detalhe dos olhais para colocar bagageiro e/ou para-lamas numa trek domane 2013 co quadro em fibra de carbono. se você não sabe por que essa cara bicicleta de competição vem com esses detalhes, precisa pedalar mais.

detalhe dos olhais para colocar bagageiro e/ou para-lamas numa trek domane 2013 co quadro em fibra de carbono. se você não sabe por que essa cara bicicleta de competição vem com esses detalhes, precisa pedalar mais.

a cultura da bicicleta está ancorada num tripé: transporte, esporte e lazer. 1) é  o pedalar para ir ao trabalho ou às compras, ou à festa, 2) é o pedalar para competir e o treinar para essa competição, 3) e o pedalar por diversão, seja num passeio dominical ou numa noite de semana num grupo, seja num brevet de 600 km ou uma volta ao mundo em bicicleta. Continuar lendo

reclinadas!

“isso é coisa de velho!”,  “elas são ilegais!”, “reclinada não sobe!” “heresia!” “se fosse bom, por que não usam no tour de france?”

bicicletas reclinadas tão aí desde a década de 30 do século 20, ou até um pouco antes, no final do século XIX.

challand horizontale - 1896

challand horizontale – 1896

já antes da I guerra o francês charles mochet construía carros leves, e depois um carrinho a pedal para seu filho, uma vez que achava bicicletas inseguras.  anos depois, pegou seu “vélocar” e  dividiu em dois:

vélocar standard. poderia ter assistência elétrica.

vélocar standard. poderia ter assistência elétrica.

1933 foi o ano em que um ciclista francês, francis fauré, considerando de segunda linha, consegue virtualmente vencer todas as provas de velódromo das quais participou, inclusive estabelecendo o recorde da hora em 45 km. Continuar lendo