TALVEZ SEU QUADRO SEJA MUITO LONGO PRA VOCÊ.

Fit de bicicleta: tá aí um campo em que o brasileiro em geral encontra dificuldades, pois a indústria nacional parece produzir bicicletas e importar peças como se a estatura média da população fosse 1,80m e fôssemos todos japoneses.

timbiras, em foto de Curt Nimuendajú,c. 1910/1920. Observe as pernas não apenas musculosas, mas pernas longas e braços longos.

A cena é visível em todo domingo nas ciclofaixas de lazer em São Paulo: pessoas se esticando todas para conseguir segurar o guidão. Parecem todas terem comprado bicicletas muito grandes. Ninguém as assessorou na compra? É o que se pergunta num primeiro momento, para depois lembrar que na verdade não achamos bicicletas para grande parte de nós.

Nós, brasileiros em geral, não prestamos muita  atenção nas proporções do corpo. Fazemos medidas de circunferência, mas não olhamos a proporção das nossas pernas em relação ao nosso tronco.

Brasileiros em geral contem alguma genética de três grandes fontes: ou indígena (cultura Clóvis), bem adaptada ao calor das Américas, ou africana, devido ao tráfico, mas não de toda Arica, mas do Golfo de Benin e a região dos atuais Congo, Angola, Moçambique, também bem adaptada ao calor, e europeia, mas não de toda Europa, mas basicamente de regiões mediterrâneas (Península Ibérica, Itália) e um tanto de centro da Europa (hoje alemães) mas não da Europa do Norte.

Ora, humanos no decorrer dos tempos, das eras, dos milênios, foram desenvolvendo adaptações no corpo. Nesse texto desse link aqui da BBC, você verá 5 adaptações genéticas um tanto raras. Se pudesse comprar essas habilidades, eu gostaria de ter as 5…

Mas se a capacidade de enxergar claramente debaixo da água sem óculos ou máscara é raro, abundam as adaptações ao calor.

Ter braços e pernas curtos permitem perder menos calor do corpo. Ter braços e pernas longos permite dissipar melhor o calor, e não ferver, não morrer de hipertermia.

Adaptação ao calor não é só tom de pele, mas principalmente as proporções do corpo.

Só que ter pernas longas acarreta ter um tronco curto. Ter um tronco curto significa também querer uma bicicletinha mais curtinha. Mas todos os brasileiros são de tronco curtinho?

Bom, brasileiros constituem uma população das que mais apresenta diversidade genética. Lembremos que houve outras levas de migrações, e como bom país de imigração nós nos misturamos. Mas poucas populações adaptadas ao frio vieram pra cá. Nesse sentido, basicamente só a imigração japonesa: olhos com as pálpebras cobertas por uma fina capa de gordura que protege a pálpebra do congelamento, nariz mais curto pra não congelar na ponta, mas mantendo a função de aquecimento do ar. Troncos longos, braços e pernas curtos. Mas essa população também está se diluindo aqui no Brasil.

Anderson Silva acertando Vitor Belfort. Note o comprimento da perna e o tronco curto de Anderson Silva.

Pois bem, se pensarmos bicicletas para brasileiros e não para americanos  (que descendem em ampla maioria de populações europeias de clima mais frio), temos que repensar as bicicletas.

Monark Olé 70. aros 28, gigante para os brasileiros. Foi substituída pela Barra Circular, essa sim mais adaptada ao povo daqui.

No Brasil, tal qual algumas regiões do sudeste asiático, as populações pedalam melhorem bicicletas com rodas de aro 20, 24 e 26 polegadas. Isso explica o sucesso de vendas de dobráveis de origem asiática, que permitem que pessoas mais baixas e com tronco curto sintam-se mais confortáveis, ou mesmo o sucesso de vendas aqui no Brasil há algumas décadas da Monark Monareta.

Monareta 1984 restaurada. Esse modelo vendeu horrores, não sem razão. Clique na imagem e vá a um blog dedicado a essas bicicletas.

O interessante das bicicletas mais antigas brasileiras feitas para o nosso biotipo mais comum é que suas peças também respeitavam essas características.

As pedivelas do tipo monobloco que equipavam essas bicicletas têm braços de 165 mm. E não os longos 175mm de quase toda bicicleta vendida no Brasil hoje.Isso faz uma diferença brutal, uma vez que um giro mais amplo faz o ciclista perder um pouco da força que aplica ao pedal, além do desconforto em levantar mais a perna do que deveria, não raro pressionando órgãos, no caso de quem já pedala como tronco bem estendido pra frente.

Mas para não dizer que não há bicicleta no mercado pra quem tenha menos de 1,70 de altura a não ser os modelos de aro 24, a Sense tem um tamanho em um modelo urbano que atende quem um pouco menos de altura. É o modelo Move, urbana de entrada, no tamanho M. Embora com rodas 29, o tubo superior efetivo está em torno de 54,5cm, bem menos que os 57 ou 58 que achamos nas menores 29 vendidas pelo mercado. Mas mesmo assim não serve para uma moça de 1,50 de altura.

E embora grandes marcas internacionais façam bicicletas para pessoas mais baixas, a importação para o Brasil não leva isso em conta. Tente achar uma Cannondale Badboy no tamanho S. A Specialized fazia a Tricross (avó das gravel atuais) em tamanhos até XS, mas no Brasil só se encontram as de tamanho M para cima, pois talvez só tenha uma tamanho S no Brasil, trazida por um conhecido numa viagem. Pois se fosse comprar aqui, não acharia.

A Renata Falzoni tem um texto interessante sobre a “tirania” das pedivelas grandes para quem não é tão grande. Leia aqui, é bom o texto.

Eu sempre me pergunto: quando lojistas, fabricantes e importadores, e sobretudo ciclistas, acordarão pra essa realidade? Quando é que não será problema chegar numa loja de bicicletas e alguém de 1,58m de altura encontrar sua bicicleta, ou alguém com1,65m de altura e 83 cm de cavalo não se ver obrigada a comprar a única bicicleta que achou que lhe fosse mais confortável e que foi produzida há mais de 20 anos?

Pois, repito: quem tem mais de 1,70 de altura consegue achar  opções no mercado, pra todos os gostos e todos os bolsos. Mas quem tem menos sofre mais quanto menor é. E não podemos exigir que alguém tenha que gastar um bom dinheiro para ter um quadro sob medida sendo que seu biotipo seja o mais comum do Brasil para o seu gênero.

Por isso, lembremos. Se a estatura média do brasileiro homem é de 1,73m (e portanto há muitos acima e muitos abaixo disso), a estatura média das mulheres é de 1,61m.

Então, acertar fit de bicicleta para pessoas mais baixas não se trata apenas de atender parcela do mercado, mas de diminuir as diferenças entre as condições de vida entre homens e mulheres.

Afinal, como afirmava já no século XIX a militante feminista e abolicionista Susan B. Anthony, a bicicleta tem um papel muito importante na emancipação feminina:

“Let me tell you what I think of bicycling. I think it has done more to emancipate women than anything else in the world. It gives women a feeling of freedom and self-reliance. I stand and rejoice every time I see a woman ride by on a wheel…the picture of free, untrammeled womanhood.”

Bicicletas com fit adequados a quem for, não é apenas uma questão de conforto, mas uma das possibilidades o exercício da liberdade. Pois se não podemos mudar nossa genética, podemos produzir bicicletas adequadas. E quem o fizer, se souber fazer, atenderá um amplo mercado.

 

6 Respostas para “TALVEZ SEU QUADRO SEJA MUITO LONGO PRA VOCÊ.

  1. Eu tenho uma bad boy tamanho S, aliás consigo encontrar na minha cidade todos os modelos S da cannondale . Tenho tb uma mtb S da marca

  2. Tenho uma bad boy tamanho S, e na revenda cannondale da minha cidade encontramos todos os modelos com tamanho pequeno, inclusive tb tenho uma mtb da marca tamanho S

  3. Tenho 1,59 e estou com grande dificuldade para comprar uma bicicleta do tamanho adequado.

    Quero comprar uma Caloi City Tour Sport, mas só existe a partir do tamanho M, então pensei na possibilidade de comprar a mesma bicicleta, só que o modelo feminino, pois o tamanho é S.

    Qual seria a melhor opção para mim?

    Abraço.

    • nesse caso, o modelo “feminino”. eu sou mais alto que você, mas não muito, boa parte das minhas bicicletas compradas usadas foram compradas de mulheres. mas veja se essa city tour feminina é realmente mais curta ou apenas abaixaram o tubo superior….

      • Eu fiz algumas anotações para facilitar.
        Espero que você possa me ajudar a sanar essas dúvidas que tenho.

        Meu “bike fit”:
        Cavalo: 65 cm
        Tronco (125.5-65): 60.5 cm
        Braço: 48 cm

        Medidas das duas bicicletas:

        Masculina:
        Top tube: 55,9 cm
        Seat Tube: 54 cm

        Feminina:
        Top tube: 54,5,cm
        Seat tube: 43 cm

        Desde já agradeço.

      • Olá Rafael. Talvez nenhuma das duas servirá pra você. com sua altura, pra ter algum conforto, teria que ser um quadro de uns 50 ou 52 cm de comprimento, pra montar com guidão reto ou alto. se fosse guidão drop teria que ser mais curto. Uma possibilidade, se vc topar usar pneus finos apenas, é pegar um quadro pequeno de speed e montar com guidão reto ou alto, como ensino a fazer num outro post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s