HORÁRIO DE VERÃO: pode piorar ou melhorar seu pedal, entenda.

diversos países possuem horários de verão, mas não se deve confundir com mudança de fuso horário. na verdade par ao corpo é pior que mudar de fuso.

Rolex GMT MAster 1954, ref 6542. Feito por encomenda da Pan-Am para seus pilotos no início da era do jato, primeiro relógio a mostrar 2 e até 3 zonas de tempo simultaneamente. Da época que Rolex era relógio rústico, sem charme, um “tool-watch” como o atual G-Shock da Casio, e não como é hoje:  um símbolo de status com uma tecnologia ultrapassada. Charmosos mas menos precisos que um reloginho a quartz baratinho.

Em inglês, “Daylight Saving Time“. alguns relógios, como um G-Shock que tenho, tem essa opção: aciona a opção,relógio automaticamente pula uma hora  pra frente. Mas com  o corpo não é tão simples, e não é simplesmente como adaptar-se a novo fuso horário, pois o corpo usa outro relógio: o relógio de sol.

A glândula pineal é a responsável pelos ciclos de sono e outros ciclos do corpo durante o dia, ou seja, pelo ciclo circadiano. Ela reage à luz.

Quando fazemos uma viagem de leste pra oeste ou no sentido contrário, cruzando 4 fusos ou mais, precisamos nos adaptar, pois temos o chamado jet lag. Esse problema é recente na história da humanidade, pois durante milhares de anos viajamos devagar, a pé, ou a cavalo, ou nos lentos veleiros. A adaptação a outro fuso se dava dia a dia. Hoje viajamos rápido e chegamos a outros fusos, e precisamos em média – repito, em média! – 1 dia de adaptação pra cada hora do fuso.

Essa adaptação varia de pessoa pra pessoa, pois nós, humanos, não temos um ciclo circadiano de 24 horas. Nossos corpos em média gostariam de dias de 25  horas. E por qual motivo essa assincronia com o tempo solar? Simples. Imagine que todos os humanos tivessem ciclo igual de necessidades ao longo do dia. Agora imagine todos defecando ao exato mesmo tempo, ou urinando ao exato mesmo tempo….  Todos os seres vivos tem ciclos próximos a 24 horas, mas raramente igual a 24 horas, para evitar congestionamento nas atividades., pois seus espécimes não sincronizariam tão fortemente suas atividades.

Existem outros ciclos. Lunares, anuais…. Sim, somos imensamente influenciados pelo ambiente, tanto pela luz, quanto pela temperatura, umidade e etc.

Mas nós humanos há centenas de anos resolvemos não mais contar o tempo pelo sol. Fizemos isso por milênios – vide as estruturas pré-históricas alinhadas com a luz do sol em equinócios e solstícios… – mas há poucas centenas de anos criamos outros relógios que não o de sol. Criamos o horário civil, a hora legal, que nem sempre bate com a hora solar.

A hora legal é a determinada  em lei, e decorre das convenções internacionais construídas nas últimas duas centenas de anos usando como parâmetro a hora do meridiano do observatório de Grenwich. A hora de Greenwich é chamada de Greenwich Mean Time – GMT, e tem sido a hora padrão para cálculo de fusos horários por muito tempo, até ser sucedida por um novo padrão, mais acurado que a observação do sol em Greenwich. é o Tempo Atômico Internacional, conhecido por UTC.

Pois bem, seu corpo observa a luz de várias formas, e não apenas pela retina. Por isso cegos também são afetados pelo jet lag.  E o detalhe, essa influência é tão forte que a hora civil, a hora legal, nem sempre consegue mudar os costumes das pessoas.

Aí entra a compreensão necessária entre a diferença entre o horário de verão e o furos horário com uma hora à frente da atual. Mais a leste de onde você está o sol chega antes, em razão a rotação da terra, e anoitece antes. Exemplo, a cidade de Recife está bem mais a leste que a cidade de São Paul. Sempre amanhece mais cedo em Recife do que em São Paulo, mesmo que hoje estejamos paulistanos e recifenses  no mesmo fuso horário por determinação de lei.

Morei anos dem Recife, no fim da infância e começo da adolescência. Às 5 horas da manhã – no mesmo horário de São Paulo, o sol já estava alto. E às 18 horas era noite fechada. Eu estudava à tarde e nunca chegava em casa que não fosse à noite. Recife deveria estar em outro fuso horário, pois só assim não seria estranho ver pessoas mandando ver numa buchada, às 9:30 ou 10 horas…. Ou não, pois lá quem prefere dormir bem mais tarde que o pôr do sol não dormirá às 2 da manhã, mas talvez antes da meia noite. E se acordar bem depois do nascer do sol não será tão tarde no relógio da hora legal que carregamos no pulso.

No horário de verão, seu corpo continuará lendo a luz no horário comum, ordinário, e suas atividades que passarão a ocorrer uma hora antes.

E note que seu relógio biológico não liga nem um pouquinho para a sua força de vontade.

Humanos em média têm ciclos biológicos de 25 horas. Mas nem todos. uma parcela tem ciclos levemente mais longos e outros levemente mais curtos.

A grande maioria das pessoas é um tanto indiferente a mudanças de horários, mas dois grupos não.

As pessoas com ciclos curtos nós conhecemos: elas acordam sozinhas bem cedo e de ótimo humor. Sim, é aquele colega seu ciclista que acorda sorrindo antes do despertador tocar e gritando BOM DIA! a plenos pulmões. Mas também, conseguir discutir algo a sério com essas pessoas às 21 ou 22 horas é um exercício de paciência, e depois disso é simplesmente impossível, pois parecem ter entrado em coma.

As pessoas com ciclos mais longos demoram a começar suas atividades, mas as estendem bastante depois do pôr do sol. São quelas que querem matar o calhorda que fica gritando BOM DIA! às 5 da manhã, e não o fazem pois lhe faltam forças para levantar e pegar uma arma…. Todavia estão alertas até mais tarde e não raro desenvolvem atividades intelectuais ou físicas no período da noite.

Estudos indicam que em média vespertinos/noturnos seriam mais inteligentes que os matutinos – a lembrar que os gregos tinham na coruja o símbolo da filosofia, do pensar –  mas também apresentam maior propensão para vícios, especialmente nos excitantes, como café.

Esses cronotipos são determinados pela genética. Não necessariamente hereditariamente. Mas não há como mudar o comportamento do seu corpo. Por isso, mesmo que você tente se adaptar ao horário do seu trabalho e dos seus estudos, basta alguns dias de férias para seu corpo recuperar os horários do seu cronotipo. No caso dos casais, a assincronia entre os tipos pode gerar problemas, na medida que uns preferem sexo antes de dormir e outros ao acordar…

No caso do pedalar, é fato que se pedala melhor à tarde, para grande parte das pessoas. Por isso as grandes voltas da Europa (Tour de France, Giro d’Italia, Vuelta de España) tem suas provas realizadas durante a a tarde no horário local.

E tipos vespertinos/noturnos chegam a pedalar ainda melhor ao anoitecer. É o meu caso: inobstante minha conformação física me induzir a pensar apenas em provinhas de sprint de menos de 1 km em velódromos, eu terminei alguns audaxes longos. Adoro os audaxes de 300 km, pois não sinto sono e estou me sentindo muito bem nos últimos 100 km, percorridos após o anoitecer. Mas amigos que são matutinos revelam desconforto no final desses audaxes. Em outros mais longos, de 400km e 600 km, os tipos matutinos estão num mau humor terrível lá pelas 3 da manhã…. e eu apenas com a sensação de fim de balada…

E o horário de verão? Note, o horário de verão só adianta o relógio, não adianta o sol. Ou seja, no rorário de verão seu corpo demorará mais a “ligar” em relação ao horário. Se você é do tipo matutino, pode ter a sensação que tem uma amiga. Ela adora o horário de verão: “o mundo todo começa a fazer as coisas no horário que eu adoro fazer!”, afirma ela, que é do tipo que entra em coma lá pelas 21 horas, e cujo primeiro marido aproveitava isso pra pular a cerca mais tarde…

Se você é do tipo vespertino, também chamado de noturno ou noctívago, horário de verão é como uma pedra no sapato. Se você já tem problemas com os horários normais da sociedade industrial, parece que o mundo conspira pra tornar sua vida mais miserável: serão meses dormindo uma hora a menos todo santo dia, e com finais de semana dedicados à fazer as coisas à tarde, nunca pela manhã.

Pra quem vive nas periferias das grandes cidades e graças ao inferno urbanístico perde de 3 a 4 horas por dia em transporte e está sempre devendo sono, o horário de verão piora um pouquinho a mais sua vida, pois acrescenta um dado perverso: o horário de troca de guarda da Polícia Militar, horário preferido pela ladroagem para furtos e roubos a pessoas que saem de suas casas, coincidirá com a escuridão. Se quiser refinar a sua percepção deste dado, lembre dos horários em que está escuro e claro e confira essa tabela de horários de crimes lista pelo delegado Jorge Lordello.

O fato é que temos percepções diferentes do tempo, e elas são biológicas. Este ano ainda haverá horário de verão, em nome de uma pretensa economia de energia, mas a se discutir se ainda haverá ano que vem.  A economia de luz está sendo corroída pelo gasto de energia em ar-condicionado.

Para empresas, o horário de verão pode gerar custos: aumenta os acidentes de trabalho, e portanto afastamentos e etc, gerando custos altos. Entenda como aqui.

No trânsito, conforme indica o Detran-MS, o horário de verão causa aumento de acidentes de trânsito.

Portanto, se vai pedalar, evite fazê-lo logo cedo. Sim, continua a regra: pedalar depois de anoitecer continua mais seguro, se você está com luzes na sua bicicleta. A se lembrar que Márcia Prado e minha amiga Julie Dias foram atropeladas e mortas na Av Paulista pela manhã. E no caso de Márcia, em tempos de horário de verão. No caso de Julie, logo após seu fim.

Apenas os tipos de cronotipo matutino estão plenamente alertas pela manhã. Os indiferentes e os vespertinos não.

Pedalar, meu caro leitor, não é apenas andar de bicicleta, é ler o mundo, o espaço e o tempo, pois tudo isso influencia seu pedal. Aliás, você já percebeu que audaxes coincidem com a lua cheia? Acha que isso é acaso?

Aprenda  conhecer o seu corpo, a ler o espaço e o tempo, e assim tire o máximo do seu pedal. Assim não apenas pedalará melhor, mas irá mais longe.

E se você é do tipo vespertino, treine um pouquinho mais e comece a pensar em audaxes longões. Pode ser uma diversão e tanto chegar naquele seu trabalho onde você tem fama de preguiçoso por chegar atrasado todos os dias, com o diplominha de conclusão de um Audax de 300 km. Ou melhor, nem faça isso. Pode ser que achem que você se atrase todo dia apenas por preguiça e você perca seu emprego. Afinal ninguém percebeu que você atrasa todo dia 15 minutos mas trabalha duas horas a mais e dorme bem menos que a média.

 

 

 

 

 

 

 

5 Respostas para “HORÁRIO DE VERÃO: pode piorar ou melhorar seu pedal, entenda.

  1. paulo fernanfo g teixeira

    Sempre uma aula.

  2. Mais um informativo e bem escrito post!

    Sou notívago e vivo em Natal. Mesmo tendo pintado minha janela de preto, às 5 da manhã a bola amarela do sol me acorda! Uso venda nos olhos e me escondo debaixo do travesseiro para dormir mais um pouco. Por outro lado, é difícil pra mim dormir antes das 23h. Antigamente fazia longos pedais até a meia noite sem problemas.

    Menos mal que aqui não temos Horário de verão.

  3. Nas cidades do interior a Hora Legal tem pouca importância. O comércio está todo aberto às 6h e as pessoas às ruas cuidando de seus assuntos. Poucos estabelecimentos seguem a Hora Legal, notadamente os Correios e o INSS(se houver).

  4. Não é só o horário que muda… A luz também muda.
    Adiantamos uma hora no relógio sempre no verão pela incidência de luz ser maior nessa época do ano (dias mais longos noites mais curtas).
    A comparação de São Paulo com Recife ou Natal é infeliz visto que essas cidades estão mais próximas ao equador e costumam apresentar dias mais longos (de luz) do que a capital paulista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s