UCI anuncia novas regras

com a chegada de novas tecnologias, como freios a disco em estradeiras, e rodas de tamanho 29 e 27,5 no MTB, a União Ciclística Internacional anuncia novas regras que levam em conta fatores como segurança e competitividade, aplicáveis às bicicletas de competição, mas que impactarão todo o mercado.

Brian Cookson, presidente da UCI desde 2013, preocupado com a perda de competitividade do ciclismo como um todo

Brian Cookson, presidente da UCI desde 2013, preocupado com a perda de competitividade do ciclismo como um todo

vamos diretamente às novas regras, constante da nova regulamentação, 2016.4.1.0002-15432, nas suas principais mudanças, pois o regramento é extenso, e tem mais 280 novas regrinhas.

MTB DOWNHILL: estão vedadas rodas com aro com medida de sede de pneu de 559mm. vale dizer, tamanho máximo, aro 26. a justificativa é que rodas maiores são menos resistentes e quebram mais facilmente, causando acidentes sérios durante as provas.

as rodas deverão ter no mínimo 36 raios, e os pneus deverão ter largura mínima de 3 polegadas.

é criada uma categoria para bicicletas sem suspensão e pneus de maior diâmetro ainda, de 4 polegadas de largura. as big dummies.

MTB XC: criação de categorias separadas para bicicletas de tamanhos de aro diferentes, sendo assim criadas 3 categorias: aro 26, aro 27,5 (650b) e aro 29. sendo que na categoria para aro 26 os atletas de ambos os sexos terão no máximo 175 cm de altura, e os atletas da categoria aro 29, de ambos os sexos, terão no mínimo 188 cm de altura. na categoria aro 27,5, os ciclistas, de ambos os sexos, terão altura de no mínimo 170 cm e altura máxima de 195 cm.

em todas as categorias está proibido o uso de pneus com menos de 2,1 de largura e pressão inferior ou superior a 45 libras psi. o padrão dos cravos dos pneus também deve seguir os padrões exigidos na nova regra, no tocante a tamanho dos cravos, profundidade dos sucos, desenho dos cravos e etc.

a igual modo estão proibidos os usos de garfos rígidos e de suspensões com curso maior que 100mm, ou menor que 80mm, em todas as categorias.

na categoria XC está proibido o uso de bicicletas com suspensão traseira.

estão vedadas rodas com menos de 32 raios – para aro 26 – e menos de 36 raios, para aros 27,5 e 29.

nas 3 categorias, o peso mínimo das bicicletas será de 14.000 g, ou seja, 14 kg.

as bicicletas terão que obrigatoriamente vir equipadas com pedivelas triplas, câmbios dianteiros e seus respectivos trocadores, funcionando perfeitamente.

os quadros não poderão ser de compostos plásticos, devendo ser de ligas de alumínio (ligas 6063, 6065 e 7005, sendo vedadas outras) e no caso dos aços, estão liberadas quais quer ligas. no caso do titânio, apenas liga ti 3al /2,5v.

a justificativa para essas medidas é padronizar categorias e promover a competitividade entre os atletas, fazendo com que o equipamento seja menos determinante para o desempenho dos atletas.

e os circuitos terão no mínimo 8 km e deverão conter pelo menos uma descida rápida e longa de no mínimo 10% do circuito, ou seja, no mínimo 800m de comprimento, e 1/3 do circuito deverá ser composto de single-tracks.

estão proibidas provas à temperatura ambiente superior a 32 graus e inferior a 0 – zero – grau.

CICLISMO DE ESTRADA:

proibidas rodas com menos de 28 raios – roda dianteira e 32 raios – roda traseira.  o espaçamento entre gancheiras, no quadro, para roda traseira, terá no mínimo 135mm.

manteve-se o diâmetro de 622mm de sede do pneu, ou seja, manteve-se a medida padrão de 700c.

a justificativa é a introdução da tecnologia dos freios a disco, que mudam o ponto de tensão nas rodas quando da frenagem, assim como garantir à roda traseira um mínimo de resistência, uma vez que com a introdução do disco no espaço anterior de 130mm, as rodas estariam com a raiação mais frágil por estar mais próxima ao ângulo de 90 graus em relação ao eixo da roda.

os discos terão diâmetro de 200mm. os cubos devem ter tecnologia de fixação dos discos composta pelo uso de 6 parafusos, com formato padrão.

está vedado o uso de freios a disco por acionamento hidráulico.

a justificativa para essas regras é padronizar as rodas em todas as equipes e permitir assim também a assistência dos carros de apoio neutros, não pertencentes à organização.

nas voltas de mais de 2 semanas, fica obrigatória a criação da camisa roxa com bolas amarelas, a ser usada pelo líder acima de 40 anos.

a justificativa é a criação de mercado de trabalho para ciclistas  profissionais acima dos 40 anos.

TRIATHLON:

estão liberadas rodas menores, de aro de até 406mm. as rodas poderão ter diâmetros diferentes entre si, podendo a roda  dianteira ser menor que a traseira, mas não o inverso.

as marchas não terão marcha mais pesada da relação permitindo mais do que 870 cm (8,7m) por pedalada completa.  isso para estimular o uso do sistema cardiovascular em detrimento do uso da força.

estão liberadas quaisquer geometrias.

as roupas de triathlon devem ser trocadas a cada etapa da competição, não se permitindo a utilização de nenhuma peça de roupa além de óculos escuros, em mais de uma etapa da competição.  isso vale dizer que ao subir na bicicleta o triatleta terá tirado o maiô, e ao começar a correr terá trocado toda a vestimenta que usou para pedalar.

CICLO-CROSS:

proibidos os freios discos e cantilevers de puxada direta (os v-brakes), sendo permitidos os cantilevers de cabo suspensório.

as pedivelas terão coroas de 50 e 34 dentes apenas.

serão permitidas suspensões dianteiras com até 40mm de curso.

a parte superior do guidão deverá ter a mesma altura do selim, quando se olhada a bicicleta pela lateral, sem o ciclista estar nela montado.

CICLISMO DE PISTA:

o carbono está banido de quadros, garfos e rodas.

em modalidades como keirin, madison e mais algumas, os quadros não poderão ser mais de alumínio, mas apenas na liga de aço 4130.

além do recorde da hora, estão criadas mais duas categorias: recorde dos 30 minutos, e recorde de 24 horas. as bicicletas a serem usadas nessas modalidades terão quadro e garfo em aço, com tubos esféricos.  e a relação a ser usada será de 52×12.

 

será exigida em todas as modalidades o uso de capacetes integrais com proteção para o queixo.

 

todas essas regras valerão a partir de 1º de janeiro 2018.

agora é esperar para ver o impacto dessas medidas no mercado das bicicletas.

e claro que esse post é de 1 de abril.  

 

3 Respostas para “UCI anuncia novas regras

  1. Salve Odir, interessante a proposta do camisa roxa e bolinhas amarelas (camisa Jocker???, hehehe). Mas se pensarmos por esse lado, a UCI também poderia reavaliar as reclinadas, com a …”justificativa de criação de mercado de trabalho para os vários fabricantes caseiros/fundo de quintal…”. Que o Zohrer e o Solyom nos ouça, hehehe. Grande abraço!

  2. Pô Odir, só aproveitando a brincadeira…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s