alforje, bolsa de selim, bolsa de quadro, bolsa de guidão: não confunda!

saber o nome das coisas facilita falar sobre elas.

as coisas tem nomes certos, específicos. e não genéricos. quanto mais genérico é o nome, pior é a compreensão. se você já ouviu a frase: “então coisou o baratinho do breguete, e aí coisou o berêu do birinaite”  sabe que essa frase pode se referir a tudo, de um problema mecânico na turbina dum avião à descrição de uma relação sexual.

a pior coisa é o cidadão me mandando e-mail perguntando acerca de coisas que ele sequer sabe o nome, ou perguntando sobre as coisas erradas. pois se a pergunta menciona X, a resposta será sobre X, mesmo que ele tenha pensando em Y e escrito X.  ler pensamentos não é uma habilidade lá muito comum, por isso desenvolvemos linguagem e nomes específicos pras coisas.

vamos aos nomes das diversas bolsas que carregamos nas bicicletas pra carregar outras coisas.

1. alforjes. a palavra tem origem árabe, por isso a grafia com J. já se usavam em cavalos, há milhares de anos, se usam em bicicletas e motocicletas, por extensão.  vão na lateral das bicicletas, lateral traseira ou dianteira. é comum que, como suas origens hípicas indicam, sejam duas bolsas ligadas uma à outra, mas modelos que possuem fixação separada têm sido comuns. em inglês, usamos o termo panniers para se referir a eles:

alforjes traseiros deuter

alforjes traseiros deuter

 

2. bolsas de guidão. pelo nome, já dá pra saber onde são presas, não é? algumas são presas diretamente no guidão, outras possuem estruturas auxiliares para sustento do peso quem contêm.  você achará na net, em inglês, como handlebar bags.

bolsa de guidão ararauna

bolsa de guidão ararauna

3. bolsas de quadro. são presas, como o nome diz, no quadro, seja dentro do triângulo principal do quadro, seja em outros pontos. às vezes são chamadas de bolsa triângulo, pois algumas realmente possuem formato triangular. em inglês, você achará como frame bags.

bolsa de quadro jandd

bolsa de quadro jandd

 

 

 

4. bolsas de selim. primeiro, não se chama banco, mas selim, a não ser que se trate de bicicletas reclinadas.  não devem ser confundidas com alforjes. algumas são pequenas o suficiente para caber apenas uma câmara, um par de espátulas e um cartucho de co2, outras chegam a quase 10 litros de capacidade. em inglês: seat packs.  eventualmente saddlebags, mas também achará alforjes sendo chamados assim.

bolsa de selim curtlo

bolsa de selim curtlo

agora, sabendo o nome certo das coisas, procure da forma correta. ficará ais fácil de achar, com certeza.

e, por favor, chame as coisas pelo nome certo. aquela garrafinha onde você leva líquidos para tomar durante o pedal, não chama”garrafinha de água”. pois essa expressão refere-se a qualquer garrafa pra carregar água. squeeze é o nome em inglês, mas em português chama-se caramanhola. se não quer ser ignorado num grupo de pedal, use o nome correto, pois se chamar de garrafinha de água, saberão que você acabou de comprar a bicicleta e tirar as rodinhas. se chamar de  squeeze, saberão que você acabou de tirar as rodinhas da bicicleta e ainda por cima é um esnobe.

claro, você pode chamar as coisas do nome que quiser. só não reclame depois se ninguém entender do que está falando…

2 Respostas para “alforje, bolsa de selim, bolsa de quadro, bolsa de guidão: não confunda!

  1. seat packs – na tradução literal, “pacote de banco”. O gringo pode falar “seat”, ou seja, pode falar banco, mas brasileiros não podem falar banco, tem que falar selim. Pra mim, selim de bicicleta e banco de bicicleta são os mesmo e não desmereço quem fala de outra maneira. Acho muito legal seu blog, principalmente as últimas postagens, falando sobre a relação de marchas, e de como montar sua bike de transporte, mas acho sacanagem vc zoar com quem ta entrando no mundo das bicicletas como eu… Na boa, ninguém nasce sabendo de todos os jargões técnicos de bicicleta. Você não precisa ler pensamentos, é só ter um pouco de paciência.

    • pois é, mas como professor, já percebi que zoação é bem didática… e o fato de em uma língua se remeter a outra palavra do português, fica mais evidente no caso das caramanholas. já viu como é italiano? remete a borracha…. cantil… só que cada língua tem suas particularidades, cada palavra tem sua extensão de compreensão. em português, é selim, pois se monta, como numa sela, e não se senta em cima, como num banco. exceção às reclinadas, onde sim, sentamos num banco, e não montamos num selim. selim pois é menor que uma sela. as palavras tem origem. e sim, os grupos de pedal costumam tratar mal quem ignora os termos corretos e de forma muito mais agressiva que meus textos, e sem a intenção de passar informação como tenho eu.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s