não é o futebol

lula errou. sim, errou. é corinthiano, como eu. sim, mas errou. o povo brasileiro não merecia uma copa de futebol aqui. copa não é benção. o povo brasileiro merecia coisa melhor que uma copa.

o brasil não tinha nem tem condições de sediar um evento desses. a sociedade inteira é corrupta e dominada por corruptores.  então, qualquer obra teria, sim, vazamento de dinheiro. isso independe da vontade presidencial. um bom exemplo é o propinotudo de são paulo. outro exemplo são os problemas internos de toda empresa brasileira, onde sócios enganam uns aos outros, onde sistemas internos de controladoria e auditorias externas fazem o trabalho de enxugamento de gelo.  e mesmo assim os bancos brasileiros são os mais lucrativos do mundo. e tem gente que tem o retorno do investimento no negócio em menso de um ano…. alguma coisa nessas contas não fecha.

a conta só fecha quando percebemos que a renda do trabalhador se achata. hora cresce um pouco, mas logo se achata. isso é uma constante na história brasileir anos últimos 100 anos. e sempre há os ávidos em ultrapassar raul seixas, que propunha apenas alugar o brasil. há muitos que vendem, quando não entregam de graça.

sim, a concentração de renda é altíssima. são sempre os mesmos no topo de uma pirâmide com uma base muito, mas muito larga. nessa base, um povo que apenas se vira. se vira pra ter um trabalhinho aqui. pra encostar o corpo pra dormir ali. sim, encostar o corpo, pois a moradia é precária. e a atual política de moradia é enxugamento de gelo, e com esse monte de moradias sendo construídas pras classe mais baixas (mas não pra base, pois não há política nenhuma de moradia pra quem tem renda per capita de 0 a 1 salário mínimo) nos locais mais distantes, o tempo mostrará que haverá ainda mais problemas de trânsito.

se antes lutava-se por pão, hoje se luta por alimentação, moradia, saúde, educação e transporte. tudo resolvível com boa vontade, não apenas de governantes, mas de todos. mas essa vontade não existe. basta perceber que a classe média não faz passeata pela melhoria da escola pública….

no clima do salve-se quem puder que caracteriza a sociedade brasileira, a predileção pela solução privada reina. todo mundo quer o seu carro, a escola particular para seus filhos e o plano de saúde privado. e claro, um clube um shopping onde não cruze com gente de classe mais baixa. e o problema: essa é a solução pra todos? o que fazer com os excluídos. eles não somem. e reclamam. mas não são tratados como cidadãos, e sim como inimigos.

essa é a lógica, “amigo X inimigo”, das PMs que estão fazendo a repressão, isso mesmo, repressão, ao direito de manifestação. as PMs são estaduais e, a se aplicar a teoria do domínio do fato como o STF de joaquim barbosa aplicou de forma a prender josé dirceu, os governadores devem responder por todos os excessos  de seus policias militares.

aliás, a violência da PM paulista só aumenta. e, principalmente, quando há alguma manifestação contra algum evento do governo federal. é de se pensar se não há uma intenção clara do governador geraldo alckmin, do PSDB, em atrair antipatia para com a presidente dilma roussef, do PT. a se lembrar as jornadas de junho de 2013, em são paulo , contra o aumento dos ônibus, por parte do prefeito, fernando haddad, do PT, reprimidos com uma violência ímpar, pela mesma PM do mesmo governador geraldo alckmin, do PSDB: repressão violenta que queimou a imagem do prefeito, não responsável por ela.

é. existe, além da roubalheira, muita ratazanice entre políticos. ratazanas… a se lembrar que ontem, 11/06, o vereador police neto (PSD), na câmara de são paulo, defendeu o projeto de wadih mutran de construção de ciclovias nas marginais. claro. fala-se disso agora. quando o então prefeito kassab (PSD) ampliou as marginais eliminando todo e qualquer canteiro que ali havia. claro, aprovar um projeto que hoje se torna inviável a realização é criar um jeito de fazer o atual prefeito não cumprir algo. exigir o que o próprio partido tornou impossível. é o velho jogo político em ação…

isso é o brasil.  ratazanas por todos os lados, e uma massa de uma desescolarização histórica, pois nunca tivemos uma escolaridade pública de qualidade disseminada e acessível a todos, que está sujeita a pressões de tudo quanto é lado e carente de formas de lazer, além de todas as demais carências. é aí que entra o futebol: o circo pra se esquecer dos problemas. o futebol e o carnaval. assim como em roma, é o brasil.

no coliseu os espetáculos incluíam de tudo, inclusive mortes humanas. o que nos traz a mídia atual senão isso? é só sintonizar os canais de tv, os noticiários. temos de tudo: jogos, mulheres nuas e mortes. mas peraí. todo mundo quer isso?

vladimir safatle fez uma análise boa, a ser lida aqui. como afirma, “não, o povo brasileiro não está feliz, pois sente-se como alguém que teve sua paixão usada por outros.” bom, nem todos. uns estão felizes sim. os que não enxergam ou não se importam com as 250 mil famílias removidas por conta das obras da copa.

aliás, esse modelo de mega-evento esportivo tem que ser questionado, como bem lembra o sakamoto aqui.  na prática, mega-evento esportivo que não desloque gente, só as grandes voltas de ciclismo, como o tour de france, o giro d’italia, a vuelta de españa, e voltas menores, pois se realizam em estruturas já existentes: estradas. aliás, o tour de france é o terceiro maior evento esportivo do mundo, perdendo apenas pras olimpíadas e pra copa do mundo de futebol. mas com um detalhe: o tour de france é anual. se somadas 4 edições, sua movimentação financeira é maior que as olimpíadas e a copa do mundo.

aí uma das provas de que o esporte no brasil segue os caminhos errados. mas não só o esporte, não é? na verdade, segue-se o caminho errado em tudo. não nos livramos até hoje da herança escravocrata no trabalho. as relações de trabalho ainda são hierarquizadas, portanto há muito de cinismo chamar empregado de “colaborador”, conforme a prática corrente atualmente. mas de aparência vive-se bastante. aparenta-se ser rico, aparenta-se ser educado, aparenta-se ter estudado.

mas nada disso importa. importa o pão e circo. importa ganhar o jogo mesmo que com pênalty roubado. panem et circensis. mas o detalhe: em roma, essa política levou a um sufocamento das economias do império, o que também levou ao seu enfraquecimento (e posterior queda, com as invasões bárbaras). acalmar os pobres com pão e circo custa. e muito. só na tributação, essa copa está custando 1,1 bilhão de reais. duvida? leia aqui.

e assim, nos tornamos, progressivamente, uma idiocracia. a começar pelo estado de são paulo, onde a polícia – sempre vale lembrar – tá bem preparada pra reprimir que usa apito, mas não pra reprimir quem usa arma. como se vê na imprensa internacional, como the times, ou mesmo na cnn, que teve uma repórter atingida. a brutalidade bem descrita na vice

yep! os cães ladram e a vaca vai pro brejo. é. e pra bicicleta, só migalhas. pois, se não se consegue resolver nem o problema das moradias, se as tragédias naturais continuam a acontecer de forma devastadora a cada chuva mais forte por falta de investimento sério (não importa de que nível, falhamos no nível municipal, estadual e federal), se nem direitos básicos, como o direito de greve são respeitados, só podemos ser um país civilizado na aparência. daí, não há como discordar da fala de agora há pouco no facebook, de mikael colville-andersen:

Brazil should be ashamed. They play football like they do politics. They cheat and fall down and fake the glory.
os cães ladram e a vaca vai pro brejo. já foi pra quem foi removido por conta de obras e agora está na rua.  se, depois, o garotinho que foi expulso com sua família dum barraco e foi pras ruas, e aos 10 anos começou a usar crack, aos 17 enfiar a faca na garganta de  um motorista preso no trânsito pra conseguir dinheiro pras suas pedras serem queimadas, as pessoas estranham. mas isso se repete todos os dias. todos os dias a vaca está indo pro brejo.
(enquanto isso,vamos rezando pra chover, pois a água vai faltar… até lá, água com metais pesados. obrigado governador!)

 

 

 

 

Uma resposta para “não é o futebol

  1. Pingback: Brasil padrão Fifa | jinete insomne