tipos de bicicletas pra cicloturismo

quem digita “touring bike” no google imagens verá um zilhão de tipos de bicicletas diferentes. fica um pouco perdido pela variedade de modelos.

alguma coisa em comum existe em todos esses tipos: a confiabilidade das peças. nenhuma touring que se preza usa peças que precisam de manutenção constante ou de baixa durabilidade. assim, nada de cassetes ultra leves que resistem a menos de 1000 kms rodados, pneus são borrachudos para furar pouco e durar muito, suspensões são evitadas por gerarem manutenção indesejada, e freios hidráulicos são raros pois impedem que se vire a bike de cabeça pra baixo, coisa que pode acontecer quando se embarca a mesma num barco no amazonas ou ou quando se tem que trocar uma câmara furada, pois é mais difícil manter a bike no ar quando se tem 50 kg de carga.

o material do quadro mais utilizado é o velho aço 4130, resistente e fácil de reparar no meio do caminho. mas bikes de cicloturismo não são exatamente leves. algumas são sherpas que podem carregar o ciclista e mais 50 kg de carga. outras são um pouco mais leves, mas mesmo assim não são exatamente bicicletas de competição.

mas vamos aos tipos.

cannondale touring light 2007

– light tourings, ou sport tourings.são praticamente speeds ligeiramente mais rústicas. quadros de aço, leves, são os preferidos, embora possam aparecer em quadros de alumínio e mesmo fibra de carbono. usam pneus de estrada um pouquinho mais grossos: 25 ou 28mm. têm uma geometria ligeiramente mais relaxada que as speeds: guidão um pouquinho mais alto, talvez a traseira seja 1 ou 2 cms mais longa que uma bike de estrada. usam um pequeno bagageiro para pouca bagagem. às vezes são speeds adaptadas, das speeds de geometria mais relaxada, normalmente algum modelo “roubaix” inspirado nas bicicletas que correm a lendária paris-roubaix. há quem coloque pára-lamas. são ótimas para o chamado “credit-card tour”, onde a maior e mais importante bagagem é o cartão que paga a alimentação e a hospedagem no meio do caminho.

trek 520 2008

– road tourings. como o nome diz, são bicicletas pra cicloturismo em estradas asfaltadas. normalmente usam aro 700c nos modelos maiores, e aro 26 nos modelos menores, por uma questão de geometria, pois usam pneus mais grossos. podem ter bagageiros atrás e à frente. comumente possuem guidão drop como das speeds mas com trocadores de bar-end. freios cantilevers, que funcionam com manetes de freio de speeds, e permitem o uso de pneus mais largos, são a regra, embora também seja comum o uso de v-brakes. são para aquelas longas viagens no asfalto, tão comuns na europa e na américa do norte, levando se toda a tralha de camping e muita bagagem. costumam ter traseiras mais longas, em torno de 46 cms, o que permite usar alforjes grandes atrás sem pegar no calcanhar, e também permite maior conforto. podem pegar alguma estradinha de terra ocasionalmente, mas com desconforto.

thorn sherpa -

– expedicionárias. essas são as “expedition tourers” . bicicletas sempre muito robustas, as adequadas para quem vai dar a volta ao mundo ou quer ir a lugares mais selvagens. a primeira característica que salta aos olhos é o uso universal do aro 26. pela facilidade de encontrar pneus, câmaras, raios, aros em praticamente qq lugar do mundo. dos confins do mato grosso às cidadelas da bósnia-herzegovina, passando por n. york ou bombaim, e também pela maior resistência ao peso e à rusticidade de determinados caminhos.  a segunda característica que nos salta aos olhos são as relações bem mais curtas, o uso generalizado de peças de MTB dos grupos intermediários, sempre os mais confiáveis, resistentes e de fácil manutenção de qualquer gama produzida por diversos fabricantes. podem parecer mountain-bikes antigas com guidões drop.

trek 830 antelope 1993 convertida

– mountain-bikes convertidas. esse é o tipo mais comum aqui no brasil, dadas as nossas estradas nem sempre em boas condições e a falta de oferta de modelos específicos nomercado brasileiro. as MTBs dos anos 90, em cromo, são as melhores escolha. algumas possuem 45 cms na traseira, outras 43. não é um primor em conforto, mas ajuda bastante. essas MTBs costumavam vir com olhais para bagageiros nos quadros, o que facilita a colocação dos mesmos, bem como pára-lamas.  algusn colocam guidões drop, outros preferem manter os guidões retos das MTBs com variados bar-ends e mesmo clips de guidão para uma posição ligeiramente mais aerodinâmica. há quem mantenha as suspensões dianteiras mas depois de algum tempo de viagem acaba-se trocando por um garfo rígido, que é mais leve e dá menos manutenção. as MTB´s de cromo-molibdênio dos anos 90 pedem pouquíssima adaptação, portanto são a opção mais barata.

Anúncios

5 Respostas para “tipos de bicicletas pra cicloturismo

  1. Uma pergunta importante, estou com a chance de pagar alguma Trek 830/850 ou Trek 930/950/970 antiga, dos anos 90. Dentre estas, quais seriam as mais indicadas? E mais importante que isso, meu tamanho de Mtb é 17″, pelas contas, mas estou achando com mais facilidade 18″, quais seriam as grandes diferenças. Dado que estas Mtb ou eram 18″ ou 16,5″. Ou seja, 17″ não tinha, ehhe. Enfim, estou vivendo na Europa e como só conheço as Treks estou buscando por elas, pois tem otimos preços de 100 a 200Euros…

    • olha, quaisquer destas servem. desde que tenham olhais para bagageiros. bom, bem que eu queria pegar uma 970 a 100 ou 200 euros, mas morando no brasil, isso não há… 😦

      • As duas que estou de olho hoje tem olhais. Por hora tenho em vista (encontrei nos classificados) uma Trek 830 Negra, uma 950 de 1995 (peças STX) e uma 970 (com peças Deore LX e acho que de 1996, pois o dono me disse que comprou mais ou menos em 98, mas ela não foi fabricada neste ano); Ambas vinhos e por 200Euros. Porem, ambas em 18″, ehhe. O tamanho de 16,5″ para 18″ não fará diferença? Dado que eu calço 17″ pelas contas? Comprarei algo antes do Natal pois em Janeiro devo ir viajar, ehhe!

      • a 16,5 pol da trek é muito baixa na frente. pra cicloturismo, pode-se usar uma bike ligeirament emais longa com uma mesa mais curta pra compensar.

      • Sendo assim, fechei negocio numa Trek 970 18″ Vinho, ao que tudo indica, 1996. Agradecido pela ajuda. De verdade… Janeiro/Fevereiro estou testando ela na estrada… Melhor custo-beneficio impossível. Essa semana já encomendo o rack traseiro e um Brooks, hehe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s