freios!

freios na bicicleta são as partes mais importantes, mais até do que as relações. não há como pedalar uma bicicleta sem freios. alguns fixeiros, em suas fixas, não possuem freios de aro instalados, mas eles freiam controlando o pedal, inclusive com a manobra do skid.

os freios têm a função de… freiar! parar a bicicleta, preferencialmente sem jogar o ciclista por cima do guidão.  é aí que mora o detalhe importante: parar bem não é travar a roda. um freio que não module, ou seja, que não nos permita controlar a desaceleração da roda sem travá-la não é um freio eficiente. pois se trava a roda, das duas uma: ou passamos por cima do guidão, ou perdemos a aderência das rodas ao chão e, nos dois casos, é tombo feio na certa.

existem basicamente dois tipos de freios: freios que atuam nos cubos, e freios que atuam nos aros.

os modelos que atuam nos cubos são a tambor – raríssimos no brasil – e a disco, sendo esses com acionamento mecânico ou hidráulico.

já os modelos que atuam sobre os aros são de dois tipos básicos: ferraduras e cantiléveres (sim, os v-brakes são um tipo de freio cantilever).

ferraduras, como o nome indica, tem formato de ferradura. em inglês, são chamados esses freios de “calipers” – pinças – nome mais adequado, pois explica seu funcionamento.

os mais simples nesse estilo possuem apenas um pivô. não são muito eficientes se forem muito grandes, para pneus largos, pois a alavanca não terá muita vantagem mecânica.

freio shimano 105 de pivot simples

freio shimano 105 de pivot simples

na foto acima entendemos como funciona esse freio: o cabo, puxado pelo manete, força o fechamento da pinça sobre o aro.

claro, se for muito grande a pinça, menor será a eficiência.

na busca de maior eficiência na frenagem, alguns projetistas pensaram em aumentar a vantagem mecânica do freio, mudando o ponto de apoio das alavancas par amais perto dos aros. assim, surgiu o freio ferradura de puxada central:

freio mafac de puxada central

freio mafac de puxada central

dá pra ver, na foto acima, os dois pivots logo acima das sapatas de freio. e também um cabo que liga os dois braços das alavancas.

mais pra frente, o modelo foi aperfeiçoado. o sistema de dois pivots foi aproveitado, mas se voltou à puxada lateral que se via nos freios de um pivot só. surgiram assim os freios ferradura de dois pivots, de dupla pivotagem.  são bem eficientes:

dois freios tektro: um pivot é visível, à direita, o outro é central.

esses são os três tipos básicos de freios ferradura. são freios que são presos ao quadro por meio de um parafuso.

mas houve quem pensasse em montar os pivots no próprio quadro e/ou garfo. daí passamos a ter 3 tipos básicos de freios com pivots no quadro.

um primeiro tipo, de fácil compreensão pra quem entendeu a ação das ferraduras de puxada central é o freio em U, o u-brake:

u-brake

vejam que os pivots estão no quadro, acima do aro. são freios bem eficientes, mas com uma certa limitação para o tamanho dos pneus. assim, logo nas moutain bikes começaram a aparecer equipadas com um outro freio: os cantilevers tradicionais, de cabo suspensório:

cantilever tradicional "low profile" shimano

cantilever tradicional "low profile" shimano

na foto acima, vemos que são dois braços , duas alavancas, montadas em pivots posicionados abaixo dos aros. existem outros modelos, como estes, mais largos:

cantilevers tradicionais "wide profile"

a vantagem destes freios é permitir a utilização de pneus beeeeem largos. por isso logo se popularizaram no mundo das bicicletas que andam no barro, as mountain bikes.

mas os cantilevers tradicionais podem ser trabalhosos para regular. em pouco tempo o mercado desenvolveu uma forma simplificada, com braços/alavancas maiores, e sem o cabo suspensório, mas com um cabo que puxa os braços do freio lateralmente:

notem que o cabo sai pela lateral

esse tipo de freio, tecnicamente, é um freio cantilever de puxada direta. foi lançado comercialmente pela shimano usando o nome “v-brake”, e assim pegou no mercado. v-brake hoje é praticamente o nome do sistema.

sheldon brown diz que é um sistema muito elegante. concordo plenamente. muito mais fácil de regular do que os cantilevers tradicionais, mais simples, e no caso de quebra do cabo não há um cabo suspensório que possa cair sobre a roda e travá-la, causando um tombo homérico no ciclista.

eu gosto desse sistema. é muito eficiente e leve. o único “senão” é necessitar de manetes especiais, que puxem uma quantidade de cabo maior. isso os tonra incomatíveis com os manetes integrados típicos das speeds (sti, da shimano; ergo, da campapagnolo; double tap, da sram), e mesmo os antigos manetes para cantilevers. há manetes para v-brakes também para guidões recurvos (os drop bars das speeds), mas sem a integração com a troca de marchas.

um ou outro doido arrisca-se a montar v-brakes sem os manetes específicos e sem adaptadores especiais. é um risco, pois se terá que montar com as sapatas muito próximas ao aro, e com muito pouca modulação: num momento se tem a impressão de que o freio não está funcionando e no momento seguinte a roda está travada….

os adaptadores consistem em peças especiais que multiplicam a puxada de cabo. com esses adaptadores, não há necessidade de manetes especiais. há uns 3 ou 4 fabricantes estrangeiros, mas é preciso importar. depois faço um post específico só sobre esses adaptadores.

outra hora falarei também sobre freios a disco e a tambor. até por quê logo teremos freios a disco nas speeds. a UCI já liberou freios a disco para as bicicletas de ciclocross, assim essa combinação estará logo logo disponível no mercado mais amplamente.

Anúncios

7 Respostas para “freios!

  1. caramba, achava que só havia um tipo de ferradura, aquela que eu tirava da minha cross quando era moleque, tbm não sabia que o v-brake precisa de mais curso pra funcionar, legal.

  2. tou entendendo tudo de novo, urru!

  3. Ótimo post, muito esclarecdor. Faltou mencionar o freio contra-pedal (coaster brake). Tenho várias bikes com este tipo de freio. Abraço amigo

  4. Poxa, deixaram de lado o sistema de freios inglês(varão). A minha Monark Barra Circular não quebra nem com reza braba, ô bicicleta confortável e funcional!!!

  5. Queria saber mais sobre o drum brake, como é o mecanismo, ele dispensa cabos, e é fácil de se acostumar?

    • brum brakes, freios a tambor, usam cabos sim. o que não usa cabos é o freio de contra-pedal, coaster em inglês. esse é acionado pelo pedalar para trás. e aciona apenas a roda traseira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s