uma bike pra audaxes!

audax é nome que comumente damos aos brevets aqui no brasil, os randonnés de 200, 300, 400, 600, 1000 ou 1200 kms.

thorn audax mk3 - uma autêntica bicicleta inglesa para audaexes

são pedaladas com tempo corrido, com tempos mínimos pra se completar o percurso, de 13:30 par ao audax de 200 kms a 90 hjs o auadax de 1200 kms… sim, não é dividido em etapas, não há aquela coisa em competições por etapas de largadas e chegadas todo dia.

simplesmente pedalamos, pedalamos, pedalamos, pedalamos….parando apenas nos PCs  ou na beira da estrada em caso de problemas mecânicos, pneus furados e etc. a assistência externa, salvo de outros ciclistas participantes, não é permitida.

e aí a questão. que bike se usa para um troço desses?

não podemos usar a mesma bike que se usa numa competição de estrada, a não ser com algumas adaptações. essas bikes normalmente possuem rodas para pneus tubulares de alta pressão. esse tipo de pneu, se de um lado é fácil de substituir, rapidamente, na beira da estrada, por outro lado é mais difícil de remendar, e há casos de até 6 ou 7 furos  ocorrido num mesmo audax por um único ciclista.  assim também não é lá muito prudente confiar na limitada capacidade de enchimento de cartuchos de co2 – vc pode usar todos seus cartuchos e ainda ter furos, ou mesmo perceber que a roda inflada com co2 há 18 hs  está perdendo pressão, e vc ainda tem mais uns 150 kms de pedal pela frente…

então a escolha óbvia dos randonneurs costuma ser por bicicletas que não gerem manutenção e, se gerarem, que seja fácil de fazer. utilizam-se rodas com pneus clinchers, do tipo mais confortável e borrachudo (mais resistente a furos), normalmente com largura maior que os 23 mms habitualmente usados em competições.

fitas anti-furo e selantes são de uso quase obrigatório. levar pelo menos duas ou 3 câmaras de reserva mais um jogo de remendos também. uma boa bomba de ar idem. e também um jogo de ferramentas.  eventualmente até um pneu reserva…

claro, sendo uma pedalada muito longa, e via de regra em asfalto – nem sempre bem conservado – o que se usam são bicicletas que possuam um bom desempenho sem sacrificar o conforto, e possuam um mínimo de conforto sem sacrificar o desempenho.

há quem use seeds – estradeiras – adaptadas (pneus mais largos, guidão um pouqhinho mais alto, um selim mais confortável) ou mesmo bicicletas que lá fora são chamadas de sport tourings: mais esportivas que as tourings, sem ser tã esportivas como as bicicletas de competição: quadros de cromo-molibdênio, com traseiras talvez um pouco mais alongadas, guidões mais altos, um conjunto de marchas que permita não sofrer em em subidas, não ter que pedalar em pé.

há também quem adapte moutain bikes.  moutain bikes são bicicletas versáteis, e algumas dão boas bikes pra audaxes.

é costume trocar a suspensão por um garfo rígido de cromo. só aí se ganha uns 400 gramas de peso. trocar o pedivela – ou suas coroas, por um jogo 48-38-28, mantendo o cassete original, deixando assim as relações um pouco mais longas e adaptadas para o asfalto.

é essencial também nas MTBs que existam bar ends, para variar a posição das mãos durante a pedalada. passar mais de 10 horas pedalando com as mãos exatamente na mesma posição pode ser muito, mas muito incômodo.  quanto maior a variedade de posições, melhor para as mãos e braços.

nas mountain bikes tb são recomendáveis pneus de 1 polegada, no máximo 1,25 ou 1,50, de preferência de alta pressão, para diminuir o atrito e permitir que a bicicleta deslize melhor sobre o asfalto. e claro, o guidão posicionado de modo a permitir uma posição um pouco mais aerodinâmica sem perder muito do conforto.

e claro, algo que pode fazer muita falta são para-lamas. mesmo nas speeds. quem tiver e puder colocar nas bikes, é sempre bom. evita que ocorra o que aconteceu comigo, que quase tomei um tombo quando engoli água com lama jogada pela roda dianteira numa descida longa.

Anúncios

2 Respostas para “uma bike pra audaxes!

  1. Pois é, e como encontrar uma sport touring dessas por aqui? Só montando ou modificando as nossas mesmo….

  2. é, a questão é adaptar. depois vou colocar um post sobre isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s