pela limitação de velocidade, ou como thor batista tornou-se um homicida

mecanismos que limitam a velocidade não são novidade no mundo da tecnologia.

são baratos, acha-se na internet para se instalar no carro, a menos de 100 reais. há carros que vêm com velocidade limitada de série, por uma questão de segurança. e há diversas empresas de transporte que colocam limitadores em seus veículos, para evitar que motoristas ultrapassem a velocidade permitida e a empresa tenha que arcar com valores altos de multas.

pois é, a velocidade máxima permitida na legislação brasileira é de 120 kms por hora. então por que permitir veículos que possam andar acima dessa velocidade? por que permitir que se possa desrespeitar a legislação?

claro, limitar a velocidade em 120 kms por hora não resolverá todos os problemas, mas evitará uma quantidade considerável de mortes e de sequelas em sobreviventes.

pois é…. na noite passada o filho de um mega-empresário, dirigindo um carro esportivo, em tese sem estar bêbado e com sono, invadiu o acostamento de uma estrada e atropelou (e matou, estraçalhando o corpo) um ciclista, um ajudante de caminhoneiro.

acidentes que vitimam ciclistas por trás são raríssimos. ocorrem só quando o motorista está em alta velocidade – e, portanto, não tem tempo de desacelerar e desviar do ciclista.

a foto da frente do carro, um carro luxuoso e conhecido pela segurança, demonstra bem a velocidade do impacto. a parte frontal do teto do carro afundou. o ciclista teve, segundo informações de sua tia (e mãe de criação) um braço e uma perna arrancados.

esse detalhe dos membros arrancados é crucial, pois dá a medida da velocidade. quem já foi atropelado por um carro estando em uma bicicleta sabe que a tendência é o corpo rolar por cima do carro. exatamente isso, rolar. eu mesmo já passei por essa situação. o ciclista está mais alto que a frente do carro, o carro entra por baixo e o ciclista rola por cima, sendo jogado longe.

fraturas são comuns, muito mais do impacto do corpo no chão do que do choque do carro com o ciclista.

é preciso que o objeto que atinge o corpo esteja munido de uma energia muito grande a ponto de produzir uma amputação, pois nossas articulações são bem flexíveis e absorvem com certa facilidade impactos menores. é mais comum destroncar do que amputar um membro. tirar do lugar, mas não seccionar completamente o corpo.

é preciso muita energia, portanto, muita velocidade também.

leia abaixo a reportagem do jornal o dia. veja a foto da frente do carro. imagine a velocidade em que estava esse carro a ponto de ter o teto rompido com o impacto com um objeto muito menos denso, um corpo humano. a água só é dura quando pulamos de uma altura imensa, e caímos a uma velocidade muito grande. o mesmo ocorre em situações como essa, guardadas as devidas proporções.

é fato, limitar a velocidade do carro, com mecanismos limitadores, urge.

e claro, as perguntas que não querem calar:

1. o que o carro fazia no acostamento em velocidade o suficiente para atropelar e matar um ciclista?

2. como o carro foi liberado sem perícia?

3. se todos são iguais perante a lei, alguns são mais iguais que os outros?

Filho de Eike Batista se envolve em acidente com morte na Rio-Petrópolis

POR MARCELLO VICTOR

Rio –  O filho mais velho do empresário  Eike Batista e da ex-modelo Luma de Oliveira, Thor Batista, de 20 anos, é suspeito de atropelar e matar um ciclista na Rodovia Washington Luís, em Xerém, distrito de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, na noite deste sábado. De acordo com policiais da 61ª DP (Xerém), o advogado de Thor afirmou que era o jovem quem dirigia o veículo. O teste do etilômetro feito pela Polícia Rodoviária Federal comprovou que ele não estava embriagado. O jovem ainda não compareceu à delegacia para prestar esclarecimentos.

Thor Batista | Foto: Divulgação

Thor Batista | Foto: Divulgação

O corpo do ajudante de caminhãoWanderson Pereira dos Santos, de 30 anos, está no Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias. Ele foi atingido às 19h19, pela Mercedes Benz Mc Laren prata, que segundo a polícia, dirigida por Thor, no Km 101, da pista sentido Rio da rodovia, logo após um retorno. A vítima estava de bicicleta e morreu na hora. De acordo com policiais da 61ª DP (Xerém), a documentação do carro e a habilitação de Thor e de um amigo que estava com ele e não teve o nome revelado, estavam em situação regular. O caso foi registrado como homicídio culposo, ou seja, sem a intenção de matar.

Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) de Duque de Caxias estiveram no local. Lá, também foi feito o teste do bafômetro em Thor e em seu amigo que, segundo os policiais, permaneceu durante todo o procedimento na rodovia. O resultado mostrou que eles não haviam consumido bebida alcoólica, segundo policiais da 61ª DP. Pouco depois, o jovem teria se sentido mal e deixado o local em busca de atendimento médico.

Carro ficou com o vidro quebrado após acidente | Foto: Reprodução Internet

Carro ficou com o vidro quebrado após acidente | Foto: Reprodução Internet

Segundo policiais da 61ª DP, o advogado da família, identificado apenas como Godinho, esteve na delegacia e disse que o filho mais velho de Eike e Luma comparecerá para prestar os devidos esclarecimentos sobre o acidente. Ele afirmou aos agentes que era Thor quem dirigia o veículo. Ainda conforme os agentes, o jovem não é considerado foragido. Ele pode se apresentar espontaneamente ou  aguardar ser intimado.

Ele também levou o carro de Thor, com a promessa de manter as condições em que o veículo ficou após o acidente. Segundo os agentes da 61ª DP, como não havia medida administrativa para apreender o veículo e não houve recomendação por parte da perícia para que isso fosse feito, o Mercedes foi liberado.

Além do advogado, a tia e uma prima da vítima estiveram na delegacia. Ninguém quis falar com os jornalistas. A família de Wanderson é aguardada no IML na manhã deste domingo para liberar o corpo. Ainda não há local e data para o sepultamento.

 

 

About these ads

22 Respostas para “pela limitação de velocidade, ou como thor batista tornou-se um homicida

  1. Eu tinha essa pergunta de como o carro foi liberado sem perícia, mas se reparar na foto do carro, tem um policial tirando fotos, portanto a perícia, no local ao menos, deve ter sido feita.

    Com certeza ele não freou, pois como o carro é baixo, com certeza ele iria facilitar esse rolamento. Se ele realmente não estava bebado, com certeza deve ter dormido e só acordou depois que viu o corpo do cara rolando sobre o carro. Agora é esperar, mas como estamos no Brasil, obviamente que a família do ciclista sequer irá receber umas cestas básicas.

    • andré, dormidno às 19:30 hs? acho esquisito. acredito muito mais na tese da altíssima velocidade, corroborada pelas fotos da coluna superior do carro, rompida pelo impacto. quanto maior a velocidade, menor o tempo de reação. até que o temo de reação seja apenas piscar os olhos…. ele tava rápido demais, muito acima de 120 kms por hora. um carro desses não tem tamanho dano naquela coluna a velocidades maiores. é projetado pra ser seguro mesmo em velocidades altíssimas.

      • Não tinha lido sobre o horário, com certeza o moleque matou o ciclista por irresponsabilidade, tanto é que a defesa já vem inventando a tese que o ciclista atravessou a rua, fácil culpar a vítima. O foda é saber que uma perícia decente detectaria facilmente que o motorista causou o acidente, mas que no mínimo sera corrompida pela grana do pai do garoto. Se não for, não faltarão advogados para encontrar falhas no processo que culminarão na absolvição do moleque

  2. Talvez não pensem em usar essa limitação pois na visão do sistema é mais interessante a arrecadação com multas, cursos de reciclagem, etc.

    • não, otávio, por incrível que pareça não é assim que funciona. essa limitação depende de lei, e é defendida por técnicos no assunto. o montante arrecadado em multas é pequeno perto do custo de tratamento dos traumas. a qualquer município, estado, e mesmo à união, ganha-se muito mais impedindo os traumas do que tratando-os, pq a grande parte das vítimas sequeladas são atendidas pelo SUS, e a conta é, na prática, dividida entre todos. mas não cabe aos quadros técnicos modificar a lei e tornar a limitação obrigatória. cabe ao parlamento. e aí se tem o imenso lobby da indústria automobilística, que vende sim o sonho da velocidade. vide as publicidades, que mostram sempre ruas limpas e sem trânsito, e o carro a uma certa velocidade sim. limitadores custam pouco, mas terão um efeito grande na indústria: pq comprar um carro mais potente que andará praticamente o mesmo que um popular? assim, pq comprar um carro mais caro se o mais barato dá a mesma sensação? o critério de compra será apenas economia e conforto. mas a indústria vende potência. esse é o seu apelo.

  3. realmente seu ponto de vista faz muito sentido, no geral vale mais o $$$ que o mercado automobilístico gira do que a vida das pessoas. é absurdo um segmento da indústria praticamente mandar num país.

  4. Reblogged this on e comentado:
    O mero fato de pegar no volante de um carro que vai de 0 a 100km/h em 3,2 segundos já deveria enquadrar qualquer atropelamento seguido de morte como homicídio doloso.

  5. Pois é. Uma tragédia isso. Mas não precisa ser um carro como esse do Thor pra se tornar uma arma. Ontem fui de bike no shopping aqui em Curiiba e dava pavor de ver os carros em velocidade altíssima nessas vias rápidas. São vias rápidas e não pistas de automobilismo. Se qualquer carro daqueles me pegasse, não sobraria nada.
    Até motoqueiros quase me atropelaram.
    O que precisa é menos pressa no trânsito mesmo pra dar tempo do motorista agir antes de tirar uma vida. Depois que alguém morre, não tem mais pressa…

  6. Infelizmente mais uma vida que se foi …
    Mas é exatamente isso que a Isabel falou … precisa de menos pressa, mais paciencia … A pessoa precisa saber que esta ARMADA … Faz 3 meses que ando de bike, porem ando de carro tbem, e as vezes de carro quando estou de boa, sempre tem um desesperado querendo me passar, cortando pra tudo que é lado … Ate dentro do carro fico com medo dos monstroristas … Afff … O Mundo precisa de mais PACIENCIA e AMOR …

  7. Eu acho que deveria cair tbm a lei que não permite que os radares fiquem escondidos. Poxa, os motoristas tem que seguir a velocidade SEMPRE, e não só quando vêem um radar. Já caiu a lei que obrigava a presença de placas avisando, o que foi um avanço. Sobre a limitação de velocidade em 120, esse é um ponto polêmico pois em estradas vicinais, pode tornar as ultrapassagens mais demoradas e perigosas, mas eu gostaria de ver algum tipo de limitação, nem que seja 150. Só isso já evitaria os “corredores de F1″ das estradas. E queria que houvesse o dobro ou triplo de radares móveis escondidos espalhados em lugares aleatórios.

  8. Odir,

    Como sempre, elucidando e fazendo as perguntas certas. Acabei de encontrar um site que me trouxe alegria depois do desprazer de ver mais uma vez um filhinho de papai, um boy, assassinar alguém por irresponsabilidade. Segue o link, é sobre máquinas projetadas a partir de bicicletas, máquinas que estão resolvendo a vida de trabalhadores na Guatemala, algo como aqueles amoladores de faca adaptados de bicicletas que vemos por aí. É a bicicleta mais uma vez trazendo autonomia: http://www.mayapedal.org/index.html

    Se puder, escreva um post sobre isso.
    Abração! ;)

  9. Acho que estamos sendo precipitados…
    Aceitamos apenas a versão dos familiares da vítima, Mas e se:

    O carro realmente estivesse a 110km/h?
    O ciclista estivesse atravesando a via, e não no acostamento?
    O carro parece bastante destruído, mas esse carro deve ser todo de alumínio ou fibra de carbono o que se “estraga” mais fácil do que os carros normais.

    Acho que vale mais a pena esperarmos a apuração dos fatos do que ficarmos pré julgando uma pessoa só porque ela é filha de um milionário.

    Sds,

    • vinicius. nenhuma testemunha de que o ciclista estivesse atravessando. o carro estava no acostamento, o corpo estava no acostamento, e diversas testemunhas que não são parentes do rapaz falecido, estão surgindo e afirmando que ele estava no acostamento. dado esse fato, ser o carro de fibra de carbono, não ter o ciclista sinalização, ou estar abaixo de 110 kms por hora é irrelevante. o carro não deveria trafegar no acostamento. simples assim. além disso, andar abaixo de 110 kms não era prática do condutor do veículo, que já está com 40 pontos na carteira (e mais 11 sob recurso), isto pq sua CNH é provisória. acho que a questão está fechada.

  10. Acho estranho o fato de terem liberado o carro. Será que isso é uma prática comum em caso de acidentes fatais? Somente a palavra do advogado (da defesa!) dizendo que não vai mexer no carro é suficiente? Se realmente não pode ser mexido, deveria ficar confinado em algum lugar, não? Se eu fosse o perito, ou mesmo a acusação, gostaria de poder olhá-lo com calma e quantas vezes fosse necessário.

  11. Ainda não acho que a questão está fechada! O fato de o motorista ter 40 pontos não prova que ele estava acima de 110km/k. O fato de o carro e o corpo do ciclista estarem no acostamento tb não prova que o choque se deu lá.
    Sabemos que o motorista não estava bêbado e que cumpriu com suas obrigações depois do atropelamento.
    Todo o resto é especulação e estamos nos precipitando em julgar o que aconteceu sem todas as informações.
    Pode sim ter sido um acidente.

    • vinícius.1. mercedes slr tem faróis que iluminam mais de 300 metros de distância. 2. possuem freios que a 100 kms por hora páram o carro em 32 metros (esses dados estão todos disponíveis na net). então, qualquer que fosse o objeto à frente, a 100 kms por hora, haveria tempo e distância pra ser identificado e parar o carro. um cavalo, por exemplo. agora, vc está ignorando uma prova importante: os diversos depoimentos de testemunhas que não são familiares. dados no calor do ocorrido. estão todos mentindo? o depoimento dessas pessoas bate com a posição do corpo e a posição do carro: tudo no acostamento. estão 3 tipos de provas diferentes mentindo em conjunto? um segundo fator: o carro é feito para suportar capotagens mais de 150 kms/h. se estava a 110, como rompeu a barra superior acima do pára-brisas? se se rompeu, seria bom reclamar com a mercedes que vendeu um carro com defeito….

  12. Não estou ignorando provas, só estou sendo conservador. Se for comprovado que ele estava em excesso de velocidade ou dirigindo no acostamento, eu vou ser um dos que vai gritar mais alto por justiça. Mas, não vou gritar agora quero antes ter certeza!

    Pedalo em na cidade de S.Paulo, em estradas e tb em trilhas, e, na minha percepção eu sou menos respeitado por onibus e caminhões do que por carros de passeio.
    Muitas vezes penso que estamos mirando nossos esforços na direção errada…

  13. Vinicius,

    Há um grande número de provas, evidências e indícios que apontam Thor como o autor do homicídio através de condição de veículo em alta velocidade no acostamento:

    PROVAS:

    Diversos depoimentos afirmam
    1- Que o ciclista estava no acostamento;
    2- Que o carro estava em alta velocidade;
    3- Que o carro trafegava no acostamento.
    O corpo da vítima foi desmembrado (fato que exige atropelamento em alta velocidade)

    EVIDÊNCIAS:

    O ciclista sempre trafegava no acostamento daquela estrada e naquele horário, sempre na mesma direção e sentido.
    Após o crime o carro e o corpo estavam no acostamento.
    O carro(da categoria dos super esportivos) estava com o capô destruído.
    O motorista tinha mais de 30 pontos na carteira por excesso de velocidade (E era carteira provisória!)

    INDÍCIOS:

    O condutor é filho de um empresário que tem o objetivo declarado de ser a pessoa mais rica do mundo e
    Um carro de quase 1 milhão de reais e velocidade máxima de mais de 300 km/h foi dado de presente a um jovem que ainda possuía carteira provisória.
    (fatos que demonstram o conjunto de valores nos quais Thor foi criado)

    Então Vinicius, ser conservador neste momento é buscar por algo no campo da imaginação. E sinceramente não mudará nada. Os conservadores costumam vencer, como deve ser o caso de Thor Batista. Quem perdeu foi Wanderson Pereira dos Santos, sua família e todos os ciclistas do país.

  14. Arnoud,

    O delegado que investiga o caso já disse que, tudo leva a crer, que o Wanderson estava atravessando e NÃO no acostamento.
    Já foi feito um exame e ficou comprovado que o ciclista havia ingerido bebida alcoolica.
    Continuo sendo conservador no meu julgamento e, apesar de ciclista, tento ser imparcial.

  15. Acho que o pior é que toda vez que uma pessoa usa um veículo acima das velocidades estabelecidas ele assume o risco de em caso de falha seja la de qual for causar um acidente. Eu sou fã e acompanho provas de arrancada onde tenho 2 amigos que competem nas pistas, um carro tem 565cv e outro está com 983cv no caso deste tem paraquedas e carro todo alíviado e preparado, enfim carro que alcança altas velocidades em pouco espaço. Mas isso dentro de uma pista com acompanhamento de ambulância e com muitos recursos que ajudam a manter a segurança para os pilotos e expectadores. Agora imagine um condutor com um carro deste nas estradas brasileiras o potêncial de assassino que seria? Na minha visão muito carro pra pouca responsabilidade e tomara que após as investigações se for comprovada a culpa que não fique apenas em cestas básicas e penas alternativas.

  16. Ogum posso pedir a ajuda para divulgação deste site http://naofoiacidente.org/blog/ Muito Obrigado!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s