tour de france

de amanhã até o final do mês, não me encham o saco no período da manhã. pq estarei grudado na frente do computador e da tv vendo o tour de france.

o logo oficial

não sabe o que é? vixe, então vc não sabe nada de bicicletas! ou melhor, não sabe nada de esportes! o tour de france é tão importante que influenciou até o onipresente futebol. duvida?

como a gente chama quem está no último lugar do campeonato? lanterna vermelha, lanterninha… pois a razão é que nas edições iniciais do tour de france, o último lugar carregava uma lanterna vermelha pra todo mundo saber que depois dele não vinha ninguém. isso é do tempo em que o rádio ficava no meio da sala, e era o único meio de comunicação ao vivo. nada de radinho transistorizado pra ouvir a corrida da beira da estrada onde ela passava. e então a expressão “lanterna vermelha”, “lanterninha”, virou sinônimo de estar na rabeira de uma competição.

acha pouco? e a moda de verão que algumas mulheres usam, os vestidos brancos de bolas vermelhas? pois é…. a camisa usada pelo líder de montanha é branca com bolas vermelhas.  caminha de leão das montanhas! no verão francês vemos pessoas usando camisetas brancas de bolas vermelhas, vestidos, bonés… aquele verde bandeira que de vez em quando volta à moda é o verde da camisa do líder dos sprints. o branco, a cor da camisa do lider geral abaixo de 25 anos e claro, o amarelo, o amarelo sol, é a cor do lider geral da competição. boné amarelo? claro,tá na moda.

o tour de france é filhote direto do mais famoso audax, o paris-brest-paris. em algumas edições não competitivo, em outras competitivos, e então a organização rachou: audaxes prum lado, competições pro outro. até hoje é assim na frança. os prós filiados à federação francesa de ciclismo, os randonneurs filiados à federação francesa de cicloturismo. não há hierarquia, há respeito mútuo.

nas primeiras edições do tour havia etapas de mais de 400 kms. e aí, que tal 400 kms em estradas de terra e cascalho, usando bicicletas de roda-fixa? um verdadeiro moedor de carne, claro. tudo para alimentar as notícias do então jornal “l’auto”. um drama por dia, a platéia comprando jornais, ouvindo o rádio… indo para a beira da estrada para ver os ‘heróicos” que chegavam a tomar pílulas de argila com nitroglicerina pra dilatar as veias e aguentar o moedor de carne que eram as primeiras edições do tour.

o pelotão passa por um campo de girassóis digno de um van gogh

com o tempo as etapas se estabilizaram em distâncias menores, raramente passado muito de 200 kms. no tour as primeiras blocagens firmaram-se: era mais fácil virar a roda (troca de marcha em bike de pinhão fixo, cubo flip-flop com um pinhão diferente de cada lado) se a roda tivesse uma blocagem. tem fixeiro que não sabe que dá pra usar blocagem em fixa (muitos não sabem que é o regulamento que impõe o uso de eixos sólidos nas bikes de velódromo), mas isso é outra história.

os primeiros câmbios fizeram diferença no tour de france, desde logo. primeiro até 5 marchas atrás, depois duas coroas na frente… e as 10 marchas reinaram soberanas por décadas, até a campagnolo lançar um sistema de 12 marchas (que funcionava mais na base da reza) e a shimano tornar um sistema de 12 marchas funcional de fato. mas isso em tempos pós eddy merckx.

trecho da subida do tourmalet

o tour revelou lendas do ciclismo. até hoje é incensado como a maior prova do ciclismo mundial. gera uma aura tão grande que monomaníacos acabam por se dedicar única e exclusivamente a ele. é o caso de lance armstrong, o maior vencedor geral com 7 edições na classificação geral. mas o grande vencedor, sem dúvida, foi eddy merckx. 5 vezes campeão geral, mas em 1969 ele levou a classificação geral, a classificação dos sprints, a classificação das montanhas e o prêmio de competitividade. ninguém, absolutamente ninguém igualou esse feito. aliás, eddy merckx ainda detém o récorde de etapas vencidas: 34. chegou a vencer 8 etapas num mesmo tour (tanto em 1970, quanto em 1974), mas não se igualou a charles pelissier, que 1930 venceu também 8 etapas, mas teve mais 7 segundos lugares!

não está entendendo nada? então vamos aos poucos.

o tour, como qq grande volta, é uma competição por etapas. vence a classificação geral quem, na soma de todos os tempos nas etapas, tem a menor soma. quem está liderando vai usando a camisa amarela.

quem ganha a etapa, ganha a etapa.. simples, né? mas soma pontos em sprints. pra apimentar a prova, tem sprints intermediários (“chegadinhas” no meio da prova). no final, quem tem mais pontos ganha a classificação dos sprintistas.

em várias etapas, existem os pontos de montanha, distribuídos nas metas de montanha. quem soma mais pontas nas montanhas é o melhor escalador, o leão da montanha. quem vai liderando vai usando a lendária polka-dot, a camisa branca de bolas vermelhas, quase sempre envergada por montanhistas puros, magrinhos….

e para incentivar os jovens, há uma classificação geral para aqueles com menos de 25 anos, a camisa branca.

as 4 camisas, em 2009

então, se olharmos bem, são 4 competições ao mesmo tempo! e ainda tem a classificação por competitividade, e a classificação por equipes.

e claro, as vitórias das etapas. é muita competição ao mesmo tempo!

e mais, a própria natureza do ciclismo gera muita empolgação. magrelos montanhistas brilham nas subidas intermináveis, atléticos passistas compõem as fugas e brilham nos contra-relógios, sprintistas fortíssimos são protegidos pelas suas equipes até a chegada, quando a explosão de energia os leva a chegar a 70 kms/h, no plano! e o tempo todo os gregários estão ali, carregando piano: levando o vento na cara pra proteger os capitães, pegando 10 ou 12 caramanholas de água do carro da equipe pra abastecer os demais membros da equipe, cedendo suas bicicletas caso a bicicleta do líder quebre….

começa amanhã, gnomada, e vai até o dia 24 de julho. 2 contra-relógios. 10 etapas planas. 3 etapas de média montanha. 6 etapas de alta montanha. a partir de umas 10 horas da manhã tem transmissão ao vivo pela ESPN. antes disso, em francês, pela TV5. afora isso, milhões de streamings via internet, em trocentas (isso mesmo, trocentas!) línguas diferentes.

site oficial, aqui.

zilhões de links pra assistir ao vivo aqui.

história do tour de france, aqui.

não consegue ver graça no tour de france, clique aqui e procure ajuda.

 

About these ads

10 Respostas para “tour de france

  1. Obrigado por mais uma aula!
    Você ainda vai escrever um livro sobre bike, né?
    Vai…

  2. Mestre! Você é foda… e pensar que eu achava que entendia algo do Tour!

    • exagera não, pásqua, tem tanto neguinho por aí que sabe muito, mas muito mais que eu! eu só taquei umas curiosidades. mas vai conversar com o seu amigo cleber anderson. perto dele eu fico quietinho só aprendendo…

  3. Pingback: Momento Esportivo « bicicletada curitiba

  4. Vale lembrar que o Tour ainda inspira muita coisa alem do mundo do ciclismo e dos esportes. Na arte, aparece, por exemplo, na belíssima animação “as bicicletas de beleville” e é o tema central do último disco de estudio dos experimentalistas alemães pais da música eletrônica, o kraftwerk, no álbum que se chama justamente “tour de france soundtracks”.

  5. Pingback: Entenda melhor esse tal de Tour de France | Vá de Bike!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s